Buscar
  • Luiz Carlos Silva Junior

Três Perigos que Ameaçam a Igreja Internamente.

Ezra T. Benson - Conferência Geral SUD, outubro de 1964 - Traduzido e Adaptado por Luiz Carlos Jr.

Alguns anos atrás, o Presidente Joseph F. Smith, um profeta do Senhor, advertiu que “Há pelo menos três perigos que ameaçam a Igreja internamente” (Doutrina do Evangelho , p. 312). Ele também aconselhou as Autoridades da Igreja a alertar o povo incessantemente contra eles.

Esses perigos são:

  • Bajulação de homens proeminentes no mundo,

  • Falsas ideias educativas,

  • Impureza sexual.

Gostaria de comentar brevemente sobre esses três perigos.



Bajulação


Primeiro, a bajulação de homens proeminentes no mundo:


O Mestre advertiu: “Ai de vós quando todos os homens falarem bem de vós!” (Lucas 6:26).

Como santos dos últimos dias, fomos perseguidos, assediados, incompreendidos e difamados. Temos sido um povo peculiar. Agora estamos diante de aplausos mundiais. Foi uma mudança bem-vinda, mas podemos suportar a aceitação? Podemos enfrentar o perigo dos aplausos? Na hora do sucesso de um homem, o aplauso pode ser seu maior perigo.

É claro que não há nada de errado em ser honrado pelos homens, se alguém está sendo honrado por uma coisa boa, se alguém chega a essas honras por meio de uma vida justa e se, mantendo essas honras, vive honrosamente. Deve-se esforçar para ter ampla influência para o bem.


No entanto, a virtude não é a única base para ser destacado e promovido. À medida que o mundo se torna mais perverso, uma maneira possível de alcançar o sucesso mundano pode ser juntar-se aos perversos. Aproxima-se rapidamente o tempo em que será necessário grande coragem para os santos dos últimos dias defenderem seus padrões e doutrinas peculiares — toda a sua doutrina, inclusive os princípios mais importantes, como o princípio da liberdade. A oposição a este importante princípio de liberdade fez com que muitos de nossos irmãos e irmãs na pré-existência perdessem seu primeiro estado na guerra no céu .


Estamos muito distantes dos dias de nossos antepassados ​​que foram perseguidos por suas crenças peculiares. Alguns de nós parecem querer compartilhar sua recompensa, mas muitas vezes têm medo de defender princípios que são controversos em nossa geração. Não precisamos solicitar perseguição, mas também não devemos ficar calados na presença de males avassaladores, pois isso torna os homens covardes. Não devemos sair do caminho do dever para pegar uma cruz que não há necessidade de carregar, mas também não devemos evitar uma cruz que está claramente dentro do caminho do dever.


Estamos no mundo, e temo que alguns de nós estejam ficando muito parecidos com o mundo. Em vez de continuar sendo um povo peculiar, alguns estão se orgulhando do quanto são como todos os outros, quando o mundo está ficando mais perverso. O Senhor, enquanto orava por seus apóstolos, disse: “... o mundo os odiou, porque não são do mundo, assim como eu não sou do mundo” (João 17:14). Como santos dos últimos dias, nós também fomos chamados para fora do mundo.


Algumas coisas são imutáveis ​​– impagáveis. Devemos nos ancorar às verdades eternas da vida, pois a vida é eterna. As honras dos homens na maioria das vezes são passageiras. Ansiosos para correr atrás das honras do cargo ou sucumbir às pressões do glamour público e aclamação mundana, alguns de nós não estão mais dispostos a defender todos os princípios do evangelho. Procuramos justificar nossa injustiça alegando que se conseguirmos um título ou posição, então pense no bem que podemos fazer. Portanto, perdemos nossa salvação no caminho para essas honras. Às vezes procuramos entre nossos números para encontrar alguém a quem possamos apontar que concorde conosco, para que possamos ter companhia para justificar nossa apostasia. Racionalizamos dizendo que algum dia a doutrina da igreja alcançará nosso modo de pensar.


Buscando o aplauso do mundo, gostamos de ser homenageados pelos homens que o mundo honra. Mas aí reside o perigo real, pois muitas vezes, para receber essas honras, devemos unir forças e seguir essas mesmas influências e políticas diabólicas que levaram alguns desses homens a posições de destaque.


Cada vez mais as honras deste mundo estão sendo promovidas pelos ímpios para os ímpios. Vemos isso em publicidade e prêmios que são dados a filmes, literatura, arte, jornalismo, etc. Vemos em nossos próprios jornais colunistas amplamente lidos que defendem um socialismo mundial que foram consistentemente pegos em falsidades e que repetem continuamente a linha comunista. Cada vez menos vemos os virtuosos serem recompensados ​​pelo mundo, e quando o são, muitas vezes parece que é feito insidiosamente para nos fazer engolir os muitos males pelos quais os ímpios são ainda mais profusamente honrados.


Sim, o Presidente Joseph F. Smith estava certo. Hoje estamos sendo atormentados pela bajulação de homens proeminentes no mundo.



Ideias Educacionais Falsas


Em segundo lugar, falsas ideias educacionais:


Durante os últimos anos, muitas de nossas instituições de ensino têm formado um número crescente de alunos educados em amoralidade, relatividade e ateísmo - alunos desprovidos de uma crença em Deus, sem princípios morais fixos ou uma compreensão de nossa república constitucional e nossa sistema econômico capitalista e de livre iniciativa. Isso segue um padrão que foi estabelecido anos atrás em algumas de nossas principais faculdades que produziram muitos dos professores e líderes no campo educacional em todo o país hoje.


Os frutos deste tipo de ensino têm sido trágicos, não só para as almas das pessoas envolvidas, mas também para os pais e até para o nosso país. Vimos esses frutos trágicos com alguns de nossos meninos na Coréia.


Quando uma pesquisa foi feita recentemente entre estudantes perguntando o que eles preferem, guerra nuclear ou rendição aos comunistas, aqueles campi que pontuaram mais em rendição foram os mais permeados por esses ensinamentos covardes de falsos princípios econômicos, ateísmo e amoralidade. Em um campus universitário muito liberal, mais de 90% eram a favor da rendição. Outras pesquisas sobre padrões morais são igualmente alarmantes. Mais perturbador é o fato de que quanto mais cursos universitários os alunos fazem nesses campi, pior parece se tornar seu pensamento. Os calouros que acabaram de sair de casa ou do trabalho não parecem tão impregnados de lavagem cerebral quanto os veteranos.


Alguns ex-alunos de várias escolas expressaram preocupação. Um ex-aluno de Yale escreveu um livro há alguns anos intitulado God and Man at Yale (Deus e o Homem na Universidade Yale). Outro grupo (que inclui o filho herói de Teddy Roosevelt, Archibald) da Universidade de Harvard estabeleceu a Fundação Veritas e escreveu um livro, Keynes em Harvard , explicando o grau em que a destrutiva filosofia econômica fabiana permeou as instituições educacionais e o governo. Educadores preocupados começaram a escrever livros. O professor E. Merrill Root é o autor do Coletivismo no Campus e Lavagem Cerebral nas Escolas de Ensino Médio. Dr. Max Rafferty, agora superintendente estadual de escolas na Califórnia, escreveu Suffer Little Children e O que eles estão fazendo com seus filhos.


Nos livros didáticos de história da escola dos últimos anos, algumas das maiores frases da história americana foram descartadas. A revista This Week recentemente pesquisou livros de história publicados antes de 1920 e desde 1920. As famosas palavras de Patrick Henry, "Dê-me liberdade ou dê-me a morte", apareceram em doze dos quatorze textos anteriores, mas em apenas dois dos quarenta e cinco textos recentes. Talvez isso possa ajudar a explicar a porcentagem de estudantes que estão dispostos a se render ao comunismo.


Todo o processo pode ser bastante insidioso. Os jovens sabem que os melhores empregos estão disponíveis para os graduados da faculdade. Eles querem ir bem na escola. Quando chega a hora do exame, eles devem devolver ao professor o que ele quer. Agora, sob o disfarce da liberdade acadêmica – que alguns aparentemente sentem ser a liberdade para destruir a liberdade – alguns professores reservam para si mesmos o privilégio de ensinar o erro, destruir a fé em Deus, desmascarar a moralidade e depreciar nosso sistema econômico livre. Se perguntas refletindo os falsos ensinamentos do professor aparecerem no exame, como o aluno responderá quem acredita em Deus? e na moralidade? e em nossa Constituição? Um aluno colocou em sua prova o que ele sabia que o professor queria ver, mas então o aluno acrescentou uma pequena observação que dizia:

“Caro professor Fulano de Tal: Eu só quero que você saiba que não acredito em uma palavra do que acabei de escrever acima.

Esses tipos de professores não estão preocupados com a verdade ou mesmo dando os dois lados de uma questão que só tem uma resposta certa. Eles pesam a balança do lado da falsidade. Se eles podem ver que há um outro lado, geralmente fica apenas na referência passageira e depreciativa. Para dar a impressão de que são objetivos, esses professores costumam convidar alguém para apresentar um ponto de vista diferente em uma palestra, enquanto o professor passa o semestre inteiro apontando o outro lado.


Agora a verdade, se nossos jovens estudantes pudessem ter tanto tempo estudando a verdade quanto eles e alguns de seus professores tiveram tempo estudando o erro, então não haveria dúvidas sobre o resultado. O problema surge quando sob a pressão de um curso pesado de estudos e a necessidade de repetir o que certos professores disseram, o aluno não tem tempo ou tempo para aprender a verdade. Se ele não souber a verdade, algum dia sofrerá as consequências. Muitos estudantes honestos, após a formatura, tiveram que desaprender e depois aprender de novo os princípios básicos que nunca mudam e que deveriam ter sido ensinados inicialmente.


Agora, essas falsas ideias educacionais prevalecem no mundo, e não escapamos inteiramente delas entre os professores em nosso próprio sistema. Existem alguns mestres na Igreja que, embora cortejam a apostasia, ainda desejam permanecer membros da Igreja, pois ser membros os torna mais eficazes em enganar os santos. Mas seu dia de julgamento está chegando, e quando vier, para alguns deles teria sido melhor, como disse o Salvador, que uma pedra de moinho fosse colocada em volta do pescoço e eles se afogassem nas profundezas do mar, do que ter levado qualquer jovem da Igreja. (Mateus 18:6)


O Senhor declarou que Sua Igreja nunca mais será tirada da Terra por causa da apostasia. Mas ele também afirmou que alguns membros de sua Igreja cairão. Houve apostasia individual no passado, está acontecendo agora, e haverá uma quantidade ainda maior no futuro. Embora não possamos salvar todo o rebanho de ser enganado, devemos, sem comprometer nossa doutrina, nos esforçar para salvar tantos quanto pudermos. Pois, como disse o presidente Clark: “Estamos no meio da maior exibição de propaganda que o mundo já viu”.


Pais, fiquem perto de seus filhos; você não pode delegar sua responsabilidade aos educadores, por mais competentes que sejam. Os pais têm o dever de treinar seus filhos, conversar com eles sobre seus problemas, discutir o que estão aprendendo na escola. E não é sábio nem seguro, como afirmou o presidente Stephen L. Richards, deixar a determinação de nosso sistema educacional e políticas exclusivamente para os educadores profissionais.

Alunos, estudem os escritos dos profetas. Felizmente, a posição consistente assumida ao longo dos anos pelos profetas da Igreja sobre questões vitais enfrentadas por esta nação foi recentemente compilada em um excelente livro intitulado Profetas, Princípios e Sobrevivência Nacional [por Jerreld L. Newquist].


Alunos, orem por inspiração e conhecimento. Aconselhe-se com seus pais. Deixe que o domingo seja o dia de encher suas baterias espirituais para a semana, lendo bons livros da igreja, principalmente o Livro de Mórmon. Tire um tempo para meditar. Não deixe as filosofias e falsidades dos homens te derrubarem. Segure-se na barra de ferro. Aprenda a peneirar. Aprenda a discernir o erro por meio dos sussurros do Espírito e de seu estudo da verdade.

Sim, as falsas ideias educacionais são uma séria ameaça hoje.



Imoralidade


Terceiro, a imoralidade sexual:


A imoralidade sexual é uma víbora que atinge não só o mundo, mas a Igreja hoje. Não admiti-lo é ser perigosamente complacente ou é como enfiar a cabeça na areia. Na categoria de crimes, apenas o assassinato e a negação do Espírito Santo vêm à frente das relações sexuais ilícitas (Alma 39:5), que chamamos de fornicação quando envolve uma pessoa solteira, ou o pecado mais grave do adultério quando envolve alguém casado. Eu sei que as leis da terra não consideram a falta de castidade tão séria quanto Deus faz, nem punem tão severamente quanto Deus faz, mas isso não muda sua abominabilidade. Aos olhos de Deus, há apenas um padrão moral para homens e mulheres. Aos olhos de Deus, a castidade nunca será ultrapassada.


O desejo natural de homens e mulheres estarem juntos vem de Deus. Mas tal associação é limitada por suas leis. Aquelas coisas apropriadamente reservadas para o matrimônio, quando tomadas dentro dos laços do matrimônio, são corretas e agradáveis ​​diante de Deus e cumprem o mandamento de multiplicar e encher a terra (Genesis 1:28). Mas essas mesmas coisas quando tomadas fora dos laços do casamento são uma maldição.


Nenhum pecado está causando a perda do Espírito do Senhor entre nosso povo hoje mais do que a promiscuidade sexual. Está fazendo nosso povo tropeçar, condenando seu crescimento, obscurecendo seus poderes espirituais e tornando-os sujeitos a outros pecados.


Recentemente, um jovem comentou que se ele parasse de ler livros, assistir TV, ver filmes, ler jornais e revistas e ir à escola, havia uma chance de ele viver uma vida limpa. E isso explica, em grande parte, a extensão em que esse mal insidioso se espalhou, pois o mundo trata esse pecado com leviandade. Essas forças do mal aumentam sua luxúria e depois não contam as trágicas consequências. Em tantos filmes, o herói tem permissão para se safar do crime, desde que possa brincar sobre isso, ou explicar que era impotente para fazer qualquer coisa, ou então, no final do filme, mostrar uma virtude mínima que deveria encobrir o mais grosseiro dos pecados. Muitas de nossas proeminentes revistas nacionais favorecem o lado mais básico, mas tentam se cobrir incluindo outros artigos também.


Nossa moral se tornou tão distorcida em valores que alguns jovens não se atreveriam a tocar um cigarro, mas se envolveriam livremente em acariciar. Ambos estão errados, mas um é infinitamente mais sério que o outro.


Os pais devem dar aos filhos instruções específicas sobre a castidade desde cedo, tanto para proteção física quanto moral. Anos atrás, o Presidente David O. McKay, Deus o abençoe, leu uma declaração escrita pela Sra. Wesley para seu famoso filho John. Recomendo-o como base para o julgamento referente à questão da castidade.

“Você julgaria a legalidade ou ilegalidade do prazer? Tome esta regra: Agora observe, tudo o que enfraquece sua razão, prejudica a ternura de sua consciência, obscurece seu senso de Deus, tira seu gosto pelas coisas espirituais, tudo o que aumenta a autoridade do corpo sobre a mente, isso é pecado para você. , por mais inocente que possa parecer em si mesmo.”



Evite as armadilhas da imoralidade


Posso sugerir alguns passos para evitar as armadilhas da imoralidade:


(1) Evite horas tardias e o cansaço. O Senhor disse que vá dormir cedo (D&C 88:124), e há boas razões para isso. Alguns dos piores pecados são cometidos depois da meia-noite por cabeças cansadas. Os dirigentes das alas e estacas, ramos e missões não devem manter nosso povo, especialmente nossos jovens, acordado até tarde da noite, mesmo para recreação saudável.


(2) Mantenha sua vestimenta modesta. Saias curtas não agradam ao Senhor, mas a modéstia sim. Meninas, não sejam uma tentação para sua queda por causa de suas roupas imodestas e justas.


(3) Tenha bons amigos ou não tenha amizades. Tenha cuidado na seleção de seus amigos. Se na presença de certas pessoas você é elevado a alturas mais nobres, você está em boa companhia. Mas se seus amigos ou parceiros encorajam pensamentos básicos, então é melhor deixá-los.


(4) Evite acariciar e ser acariciado como uma praga, pois acariciar e ser acariciado é a concessão que precede a completa perda da virtude.


(5) Tenha uma boa saúde física, pratique algum esporte ou faça exercícios. Vença o mal com o bem. Você pode vencer muitas más inclinações por meio de bons esforços físicos e atividades saudáveis. Uma alma sã, livre das influências do álcool e do tabaco que entorpecem o corpo e o espírito, estará em melhores condições para derrotar o diabo.


(6) Tenha pensamentos limpos. Aqueles que têm pensamentos limpos não fazem atos sujos. Você não é apenas responsável diante de Deus por seus atos, mas também por controlar seus pensamentos. Então viva de modo que você não corasse de vergonha se seus pensamentos e atos pudessem ser exibidos em uma tela em sua igreja. O velho ditado ainda é verdade que você semeia pensamentos e colhe atos, você semeia atos e colhe hábitos, você semeia hábitos e colhe caráter, e seu caráter determina seu destino eterno. “Como um homem pensa, assim ele é” (veja Prov. 23: 7).


(7) Ore. Não há tentação colocada diante de você que você não possa evitar. Não se permita ficar em posições onde seja fácil cair. Ouça os sussurros do Espírito. Se você está engajado em coisas em que sente que não pode orar e pedir as bênçãos do Senhor sobre o que está fazendo, então está engajado no tipo errado de atividade.


Sim — evite horas tardias; vestir-se modestamente; procure bons amigos; evite acariciar e ser acariciado; ter uma boa saída física; tenha bons pensamentos; orar.

Que o Senhor nos abençoe como povo. Tomamos sobre nós convênios sagrados. Devemos ser fiéis. Estamos no mundo, é verdade, mas não devemos participar dos males do mundo.


Estejamos sempre em guarda contra a lisonja de homens proeminentes no mundo, falsas ideias educacionais e impureza sexual, oro humildemente em nome de Jesus Cristo. Amém.

(Fonte: Conferência Geral SUD, outubro de 1964 )

21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo