Três perigos internos que ameaçam a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias - Parte 1

por Ezra Taft Benson - Traduzido e adaptado por Luiz Carlos Jr.

Há alguns anos, o Presidente Joseph F. Smith, um profeta do Senhor, advertiu que “há pelo menos três perigos que ameaçam a Igreja internamente” (Doutrina do Evangelho, p. 312). Ele também aconselhou as Autoridades da Igreja a alertar o povo incessantemente contra eles.

Esses perigos são:

Bajulação de homens proeminentes no mundo,
Falsas ideias educacionais,
Impureza sexual.

Gostaria de comentar brevemente esses três perigos, e vou fazer isso em três postagens para não ficar muito longo o conteúdo e ser melhor estudado e lido por vocês.


Lisonja

Primeiro, a bajulação de homens proeminentes no mundo:

O Mestre advertiu: "Ai de você, quando todos os homens falarem bem de você!" ( Lucas 6:26 ).

Como santos dos últimos dias, fomos expulsos, hostilizados, incompreendidos e caluniados. Temos sido um povo peculiar. Agora, somos confrontados com aplausos mundiais. Foi uma mudança bem-vinda, mas podemos suportar a aceitação? Podemos enfrentar o perigo de aplausos? Na hora do sucesso de um homem, o aplauso pode ser seu maior perigo.

É claro que não há nada de errado em ser honrado pelos homens, se alguém está sendo honrado por uma coisa boa, se alguém recebe essas honras por meio de uma vida justa e se, enquanto mantém essas honras, vive honradamente. Deve-se esforçar para ter ampla influência para o bem.

No entanto, a virtude não é a única base para ser escolhida e promovida. À medida que o mundo fica mais perverso, uma maneira possível de obter sucesso no mundo pode ser juntando-se aos iníquos. Aproxima-se o tempo em que exigirá grande coragem dos santos dos últimos dias para defender seus padrões e doutrinas peculiares - toda a sua doutrina, incluindo os princípios mais importantes, como o princípio da liberdade. A oposição a esse importante princípio de liberdade fez com que muitos de nossos irmãos e irmãs na pré-existência perdessem seu primeiro estado na guerra no céu .

...não devemos permanecer em silêncio na presença de males avassaladores, pois isso torna os homens covardes.

Estamos muito distantes dos dias de nossos antepassados, que foram perseguidos por suas crenças peculiares. Alguns de nós parecem querer compartilhar sua recompensa, mas muitas vezes têm medo de defender princípios controversos em nossa geração. Não precisamos solicitar perseguição, mas também não devemos permanecer em silêncio na presença de males avassaladores, pois isso torna os homens covardes. Não devemos sair do caminho do dever para pegar uma cruz que não há necessidade de carregar, mas também não devemos evitar uma cruz que claramente está dentro do caminho do dever.

Estamos no mundo e temo que alguns de nós estejam ficando muito parecidos com o mundo. Em vez de continuar sendo um povo peculiar, alguns se orgulham de serem semelhantes a todas as outras pessoas, quando o mundo está ficando mais perverso. O Senhor, ao orar por seus apóstolos, disse: “... o mundo os odeia, porque eles não são do mundo, assim como eu não sou do mundo” ( João 17:14 ). Como santos dos últimos dias, nós também fomos chamados para fora do mundo.

Algumas coisas são imutáveis ​​- inestimáveis. Devemos nos ancorar nas verdades eternas da vida, pois a vida é eterna. As honras dos homens, na maioria das vezes, são passageiras. Ansiosos para correr atrás das honras de um cargo ou sucumbir às pressões do glamour público e aclamação do mundo, alguns de nós não estão mais dispostos a defender todos os princípios do evangelho. Procuramos justificar nossa injustiça alegando que, se ao menos pudermos obter título ou posição, pensemos no bem que podemos fazer. Consequentemente, perdemos nossa salvação no caminho para essas honras. Às vezes, olhamos entre nossos números para encontrar alguém a quem possamos apontar e que concorde conosco, para que possamos ter companhia para justificar nossa apostasia. Racionalizamos dizendo que algum dia a doutrina da igreja alcançará nosso modo de pensar.

Buscando o aplauso do mundo, gostamos de ser homenageados pelos homens que o mundo homenageia. Mas aí reside o perigo real, pois muitas vezes, para receber essas honras, devemos unir forças e seguir as mesmas influências e políticas diabólicas que levaram alguns daqueles homens a posições de destaque.

Cada vez mais as honras deste mundo estão sendo promovidas pelos ímpios para os ímpios. Vemos isso na publicidade e nos prêmios dados a filmes, literatura, arte, jornalismo, etc. Vemos em nossos próprios jornais colunistas amplamente lidos que defendem o socialismo mundial que têm sido consistentemente apanhados em falsidades e que continuamente repetem a linha comunista.


Cada vez menos vemos os virtuosos serem recompensados ​​pelo mundo e, quando o são, muitas vezes quase parece ser feito de forma insidiosa, a fim de nos fazer engolir os muitos males pelos quais os ímpios são ainda mais profundamente honrados.

Sim, o Presidente Joseph F. Smith estava certo. Hoje estamos sendo atormentados internamente pela lisonja de homens proeminentes no mundo.

7 visualizações0 comentário