O que todo Santo dos Últimos Dias deve saber sobre vacinas. - parte 1 -

Escrito por Samuel Smith - Adaptado e Traduzido por Luiz Carlos Jr

Enquanto os fabricantes de medicamentos se apressam para produzir e distribuir vacinas para o COVID-19, uma pergunta certamente estará na mente de muitos membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias:

“Qual é a posição da Igreja sobre vacinas?”

Naturalmente, muitos podem apontam para a declaração de 1978 da Primeira Presidência em que declararam:

“Exortamos os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias a proteger seus próprios filhos por meio da imunização... A omissão de ação pode sujeitar milhares incontáveis ​​a serem evitados deficiência física ou mental ao longo da vida, incluindo paralisia, cegueira, surdez, danos cardíacos e retardo mental.”


Outros mencionarão o fato de que, desde 2012, as campanhas de vacinação em massa fazem parte oficialmente das iniciativas humanitárias da Igreja. Por causa desses fatos, é aqui que o problema termina para muitas pessoas. No entanto, as perguntas mais dignas de nossa consideração são as seguintes:

Qual é a posição de Deus sobre as vacinas? Ele se importa? Ele está a favor? Ele se opõe? Como podemos saber?

As respostas a essas perguntas, como argumentarei, são sim, ele se importa e tem uma posição. A maneira como podemos saber não é apenas por meio da “revelação pessoal” - pois há uma chance de sermos enganados por confiar apenas nela - mas também por meio do apelo às escrituras e aos ensinamentos proféticos sobre o tratamento de nosso corpo. Então, vamos examinar algumas dessas coisas.


A verdade deve ser confirmada pelas Escrituras


Em primeiro lugar, faríamos bem em estabelecer o fato de que cada um de nós é responsável por nossa própria salvação e pelo caminho que traçamos. Se não conhecemos a doutrina encontrada nas escrituras que conduz o caminho para a vida e a salvação, isso não é culpa de nenhum líder - é nossa. De fato, as autoridades da Igreja enfatizaram repetidamente que cada um de nós tem a responsabilidade de discernir a verdade por si mesmo, apelando para as escrituras.

Por exemplo, Joseph Fielding Smith certa vez proclamou:

“Não faz diferença o que está escrito ou o que alguém disse, se o que foi dito está em conflito com o que o Senhor revelou, podemos deixar de lado . Minhas palavras e o ensino de qualquer outro membro da Igreja, alto ou baixo, se não se enquadrarem nas revelações, não precisamos aceitá-las. Deixe-nos esclarecer esse assunto. Aceitamos as quatro obras-padrão como os parâmetros de medição, ou balanços, pelos quais medimos a doutrina de cada homem. Você não pode aceitar os livros escritos pelas autoridades da Igreja como padrões de doutrina, apenas na medida em que eles estejam de acordo com a palavra revelada nas obras padrão. Se Joseph Fielding Smith escreve algo que não está em harmonia com as revelações, então todo membro da Igreja tem o dever de rejeitá-lo. Se ele escreve algo que está em perfeita harmonia com a palavra revelada do Senhor, então ela deve ser aceita” (Joseph Fielding Smith, Doutrinas de Salvação, vol. 3, p. 203).


O Presidente Harold B. Lee também ensinou esse princípio com frequência. Em uma ocasião, ele afirmou:

As escrituras são o padrão pelo qual se mede a verdade . Tudo o que ensinamos nesta igreja deve estar baseado nas escrituras. Devemos escolher nossos textos nas escrituras e, sempre que houver uma ilustração nas escrituras ou uma revelação no Livro de Mórmon, use-a e não extraia de outras fontes onde possa encontrá-la aqui nestes livros. Chamamos isso de obras padrão da Igreja porque são padrão. Se você deseja medir a verdade, avalie-a pelas quatro obras-padrão da Igreja. Se não estiver nas obras padrão, você pode supor que seja especulação. É a opinião pessoal do próprio homem, para colocar de outra forma; e se contradizer o que está nas escrituras, você pode saber por esse mesmo sinal que não é verdade. Este é o padrão pelo qual você mede toda a verdade. Mas, se você não conhece os padrões, não tem uma medida adequada da verdade ”(Harold B. Lee, The Teachings of Harold B. Lee, p. 149).


Com essa ideia em mente, quem pode apontar a justificativa bíblica ou o fundamento lógico para as vacinas? Ainda não encontrei nada suficientemente convincente e abrangente. Ao contrário, como mostrarei, a justificativa para vacinas parece depender mais do braço da carne do que de Deus. As escrituras repetidamente nos ensinam a confiar em Deus e em Sua sabedoria e não no braço da carne.

No Livro de Mórmon, Jacó proclama:

“Oh, Quão astuto é o plano astuto do maligno! Oh, a vaidade e a fraqueza e a insensatez dos homens! Quando são instruídos, pensam que são sábios e não dão ouvidos ao conselho de Deus, pois o põem de lado, supondo que sabem por si mesmos; portanto, a sua sabedoria é insensatez e não lhes traz proveito. E eles perecerão ”(2 Néfi 9:28).


Em 2 Néfi 28, Néfi nos ensina que “maldito aquele que deposita sua confiança no homem, ou faz da carne seu braço, ou dá ouvidos aos preceitos dos homens, a menos que seus preceitos sejam dados pelo poder do Espírito Santo” ( 2 Néfi 28:31).


No Antigo Testamento, Jeremias proclamou: “Assim diz o Senhor; Maldito o homem que confia no homem, e põe a carne por seu braço, e cujo coração se aparta do Senhor” (Jeremias 17: 5). Além disso, repetidamente nas escrituras somos ordenados a “viver de toda palavra que procede da boca de Deus” (Deuteronômio 8: 3; Mateus 4: 4; D&C 84:44; D&C 98:11).


Obviamente, se quisermos estabelecer a verdade de qualquer ensino ou princípio, isso deve estar enraizado nas escrituras, confiando no Senhor e em Sua sabedoria e não na sabedoria do homem.


Doutrina e Convênios 42

Talvez o argumento mais forte contra o uso de vacinas venha de Doutrina e Convênios 42, em que o Senhor nos diz o que devemos fazer. Para que não se pense que esta é apenas uma seção obscura de Doutrina e Convênios, o título da seção nos diz que essa revelação é conhecida como a “Lei da Igreja”.


Nesta seção, o Senhor descreve uma série de leis e princípios para governar a Igreja.

Incluem-se alguns versículos que a maioria de nós normalmente encara a respeito de nossa saúde:


43 E todo aquele entre vós que estiverem doentes e não tiverem fé para ser curados, mas acreditarem, serão alimentados com todo carinho, com ervas e comidas leves, e não pela mão de um inimigo.

44 E os élderes da igreja, dois ou mais, serão chamados e orarão por eles, impondo-lhes as mãos em meu nome; e se morrerem, morrerão em mim; e se viverem, viverão em mim.


Nesses versículos, o Senhor explica muito claramente como os santos devem lidar com as doenças e problemas de saúde. Ele ordena que 1) chamemos dois élderes ou mais para dar uma bênção. Se não tivermos fé suficiente para sermos curados, o Senhor ordena que nos voltemos para 2) ervas e 3) alimentos leves. Este conselho é muito simples para que, como os israelitas da antiguidade ou o sírio Naamã, optemos por desconsiderar as instruções de Deus para sermos curados?


Este não é apenas um conselho obscuro escondido em alguns versículos aleatórios de Doutrina e Convênios. Joseph Smith, Profeta e Vidente desta dispensação, ensinou esse conselho em várias ocasiões registradas. Em uma dessas ocasiões, ele escreveu:

“Eu preguei para uma grande congregação no estande, sobre a ciência e prática da medicina, desejando persuadir os santos a confiar em Deus quando doentes, e não em um braço de carne, e viver pela fé e não por remédios, ou veneno; e quando eles estavam doentes e pediram aos élderes que orassem por eles, e eles não foram curados, para usar ervas e alimentos leves”

(History of the Church, volume 4, página 414).


Aqui, Joseph reitera o ponto acima - isto é, confiar no Senhor e não no braço da carne, especialmente quando doente. Da mesma forma, é relatado que Joseph ensinou que “o Senhor decidiu que os Doutores não deveriam curar as pessoas; aquele remédio não teria efeito” (“Livro de Apocalipse 2,” p. 1, Documentos de Joseph Smith). Para uma compreensão mais abrangente desses ensinamentos, vamos agora nos aprofundar no que o Profeta e Doutrina e Convênios disseram.


Bênçãos de Fé e Sacerdócio


Os seguidores de Jesus Cristo devem estar bem familiarizados com o poder do Salvador para curar. Ele delegou esse poder a Seus discípulos e restaurou-o a Joseph Smith por meio do mesmo. Ao longo de sua vida, o Salvador tratou de curar todos os tipos de doenças (Marcos 1:34).


Um exemplo pertinente é quando a mulher com um fluxo de sangue estende a mão a Jesus no meio de uma multidão, toca em Suas vestes e é imediatamente curada. O que torna esta história tão interessante é que Lucas nos diz que ela “gastava toda a sua vida com os médicos”, mas nenhum deles poderia curá-la (Lucas 8: 43-48). Foi sua fé no poder de Jesus Cristo que a curou.


Mesmo enquanto Jesus fazia grandes milagres e curava todos os que tinham fé para ser curados, Ele ensinou Seus discípulos que eles poderiam fazer obras ainda maiores do que Ele fez se apenas cressem (João 14:12). Na verdade, Ele deu aos Seus discípulos o poder de curar "todas as formas de doenças (enfermidades) e todas forma de mal” (Mateus 10: 1, ênfase adicionada).


Se tivéssemos fé suficiente, poderíamos comandar os elementos como Jesus e repreender doenças e enfermidades antes de precisarmos de qualquer outro tipo de intervenção. Na verdade, não há nenhum problema que esteja além do poder de cura do Salvador por meio do sacerdócio.


Você pode imaginar se um portador do sacerdócio realizasse um ato de cura e dissesse ao anteriormente aflito: “Agora é melhor você ficar atento a aftas, náuseas, infecções, febre, etc.”? Tal declaração zombaria do poder do sacerdócio. Ainda assim, as vacinas poderosas prometem saúde, mas ainda vêm com uma longa lista de avisos e efeitos colaterais.


Para um exemplo simples, a bula da vacina para sarampo, caxumba e rubéola produzida pela Merck, ProQuad, lista efeitos colaterais como dor, inchaço, hematomas, febre, irritabilidade, "erupção cutânea semelhante ao sarampo", "erupção cutânea semelhante à varicela", diarreia, infecção respiratória superior, meningite, sarampo, bronquite, pneumonia e convulsões, apenas para nomear alguns.

O fabricante, é claro, afirma que "alguns casos descritos na literatura ou relatados voluntariamente de uma população de tamanho incerto, nem sempre é possível estimar com segurança sua frequência ou estabelecer uma relação causal com a exposição [à vacina]". Felizmente, podemos evitar esse problema totalmente quando contamos com a saúde do Senhor!

O livro de Tiago no Novo Testamento também nos assegura do poder de Cristo e do Sacerdócio para curar os enfermos:

14 Está alguém doente entre vocês? Chame os anciãos da igreja; e orem sobre ele, ungindo-o com azeite em nome do Senhor:

15 E a oração da fé salvará o doente, e o Senhor o levantará; e se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados (Tiago 5: 14-15).


Mais uma vez, a oração da fé e a imposição de mãos deve ser nossa primeira ação, caso venhamos a ser vítimas de doenças.


O Deseret News, de propriedade da Igreja, já acreditou que a fé também tem o poder de curar. Em referência à varíola (para a qual havia então uma vacina), o Editor-Chefe e futuro Apóstolo Charles W. Penrose, começando com uma citação para um artigo concorrente, escreveu:

“Será que entendemos nosso estimado contemporâneo, o Deseret News, dizer que a varíola pode ser curada pela imposição das mãos e que recomendaria este tratamento? - SL Herald


As observações do Deseret News sobre este assunto são claras o suficiente para a maioria das pessoas entender, mas para o benefício de nossos contemporâneos, explicaremos melhor. A posição do Deseret News sobre a questão do poder de cura é que todos os tipos de enfermidades e doenças podem ser curadas pela fé, e que a imposição de mãos é o método de administrar aos enfermos instituído por ordem divina.


Claro, isso inclui a varíola entre as doenças que podem ser curadas dessa forma. Existem numerosos casos de cura dessa doença por este meio divino. Há muitos élderes nesta cidade, o autor deste artigo entre muitos, que impôs as mãos sobre pessoas afetadas por... varíola, e os pacientes se recuperaram, enquanto os élderes que administravam escaparam do contágio.


Não importa se essa afirmação é acreditada ou não. A questão é se a varíola “pode ser curada pela imposição de mãos”. A resposta é sim se houver fé suficiente na pessoa aflita para ser curada, ou nas pessoas que impõem as mãos para repreender a doença...


A Igreja que Jesus Cristo restaurou e organizou nestes últimos dias ensina a mesma doutrina. Existem milhares e milhares de testemunhas de sua verdade. Muitos deles estão vivendo nestes vales hoje e estão prontos para testemunhar que foram curados, não por drogas ou expediente médico, mas pelo poder de Deus por meio da fé e da imposição de mãos

(Charles, W. Penrose,“ Faith As A Curative ”, Deseret Evening News, 6 de janeiro de 1900, p. 7, ênfase adicionada).


Esse ponto levantado por Penrose faz sentido quando consideramos que em 1878, durante uma epidemia de varíola, o Élder Llewellyn Harris visitou um vilarejo de índios Zuni no Novo México para administrar bênçãos. Suas bênçãos para a saúde, afirmava-se, curaram cerca de quatrocentos nativos americanos que sofriam de varíola (Juvenile Instructor, vol 14, 1879, pp. 160-1).


Como nota lateral, o Deseret News de Charles W. Penrose certa vez classificou as vacinas como "vis e ridículas quando aplicadas ao público". O jornal destacou que a prática da inoculação contra a varíola “espalhou a doença para a qual foi projetada” (Deseret Evening News. 12 de janeiro de 1900, p. 4).

Da mesma forma, quando confrontado com multas do governo da Inglaterra por não vacinar seus filhos, o apóstolo Brigham Young Jr. teria dito ao magistrado que o ameaçava que ele poderia multá-lo quanto quisesse, mas ele “não poderia vacinar seus filhos” (“Talk on Vaccination”, Salt Lake Tribune, 11 de fevereiro de 1901).


Agora, voltando ao ponto sobre a cura, como Joseph, Doutrina e Convênios 42 e o Deseret News enfatizaram, esse tipo de cura baseia-se na fé. Felizmente, o Senhor providenciou uma maneira de sermos curados, mesmo quando NÃO temos fé suficiente.


...continua

41 visualizações0 comentário