O papel adequado do governo


Uma compreensão do papel adequado do governo é essencial e um dos princípios mais importantes para um povo livre. Sem uma compreensão adequada e correta dos direitos fundamentais dados por Deus e uma compreensão do papel adequado do governo em relação a esses direitos, não podemos fazer escolhas informadas e educadas na seleção de líderes para servir como nossos representantes no governo. Nossas escolhas a esse respeito têm consequências eternas e podem afetar negativamente centenas, ou até milhões de pessoas.


Em um trecho do livro Proper Role of Government o presidente Ezra Taft Benson comentou:

Ao contrário do oportunista político, o verdadeiro estadista valoriza o princípio acima da popularidade e trabalha para criar popularidade para os princípios políticos que são sábios e justos.

É geralmente aceito que a função mais importante do governo é garantir os direitos e as liberdades dos cidadãos. Mas, o que é isso? E qual é a sua fonte? Até que essas perguntas sejam respondidas, há pouca probabilidade de que possamos determinar corretamente como o governo pode protegê-las da melhor forma.


A função adequada do governo é limitada apenas às esferas de atividade nas quais o cidadão tem o direito de agir. Ao derivar seus justos poderes dos governados, o governo se torna principalmente um mecanismo de defesa contra danos corporais, roubo e servidão involuntária. Não pode reivindicar o poder de redistribuir a riqueza ou forçar cidadãos relutantes a realizar atos de caridade contra sua vontade.


O governo é criado pelo homem. Nenhum homem possui tal poder de delegar. A criatura não pode exceder o criador.

Em termos gerais, portanto, o papel apropriado do governo inclui atividades defensivas, como manter forças militares nacionais e policiais locais para proteção contra perda de vidas, perda de propriedade e perda de liberdade nas mãos de déspotas estrangeiros ou criminosos domésticos.


Em um texto publicado recentemente a Juíza Ludmila Lins Grilo fala sobre A armadilha mental do Pacifismo, segue:


Seu pacifismo é a sua fraqueza.

Todos os dias, vemos pessoas orgulhosas de si mesmas, exibindo superioridade e elevação espiritual, dizendo-se “pacifistas”. Acreditam que poderão se defender do Mal com poemas e pombinhas brancas.


São pessoas infantis, que ainda não entraram no jogo da vida, aprisionadas nas ideias inoculadas pelo pacífico apresentador de TV – que, não se sabe por quê, só anda com seguranças armados. Segurança pra mim, pacifismo pra você̂.


Experimente responder com um abraço ao assaltante que deseja seu dinheiro. Tente oferecer uma palavra de carinho ao estuprador na hora do ataque. Faça um cafuné no noiado que está bem ali, atrás de você olhando para o seu celular. Vai dar certo, amiguinho, pode confiar!


Existem pessoas que têm dinheiro (poder financeiro). Outras têm inteligência (poder intelectual). Outros têm armas (poder bélico).


Muitos diriam que o mais poderoso é quem tem dinheiro. Entretanto, uma mera observação da realidade mostra que não é bem assim. Quando um cara é assaltado na rua, quem é o mais poderoso, ele ou o assaltante? Quem tem dinheiro é quem se ferra: o mais poderoso na relação é quem tem o poder bélico. O dinheiro é irrelevante diante de uma arma na sua cabeça.


Mas e quem é religioso, o que fazer? A incompatibilidade só existe para quem quer te convencer a permanecer fraco. Veja como São Miguel Arcanjo é representado, sempre com uma lança na mão, subjugando o demônio debaixo de seus pés. São Jorge sempre figura empunhando sua espada e matando o dragão. Jesus Cristo deu uma sova nos vendilhões do templo.


Pare de confundir “pacifismo” com “bondade”. Sei que o discurso pacifista é sedutor, e faz com que você̂ se sinta elevado espiritualmente, mas isso é apenas conversa da serpente para te manter fraco e subjugado.

O discurso do “pacifismo” também funciona na seara do poder intelectual. O “pacifista” criminalizará toda tentativa de destruição do demônio. Você será chamado de bruto e odiento, e se sentirá paralisado diante dessa armadilha da linguagem. Você, desesperado, tentará se defender validando o discurso do “pacifista”. Não caia nessa.

Deixe a serpente falando sozinha e prossiga, sempre olhando para o alto.


Citando novamente de Ezra Taft Benson - Proper Role of Government :

Como conclusão desta discussão, apresento uma declaração de princípios que foi recentemente preparada por alguns patriotas americanos e que subscrevo de todo o coração.


Quinze princípios que contribuem para um governo bom e adequado


Como um americano independente do governo constitucional, declaro que:


1. Acredito que nenhum povo pode manter a liberdade a menos que suas instituições políticas sejam fundadas na fé em Deus e na crença na existência de uma lei moral.

2. Acredito que Deus dotou os homens de certos direitos inalienáveis ​​conforme estabelecido na Declaração de Independência e que nenhuma legislatura e nenhuma maioria, por maior que seja, pode limitar moralmente ou destruí-los; que a única função do governo é proteger a vida, a liberdade e a propriedade e qualquer coisa além disso é usurpação e opressão.

3. Eu acredito que a Constituição dos Estados Unidos foi preparada e adotada por homens agindo sob a inspiração do Deus Todo-Poderoso; que é um pacto solene entre os povos dos Estados desta nação, ao qual todos os oficiais do governo têm o dever de obedecer; que as eternas leis morais aqui expressas devem ser respeitadas ou a liberdade individual perecerá.

4. Acredito que seja uma violação da Constituição o governo privar o indivíduo da vida, liberdade ou propriedade, exceto para os seguintes fins: (a) Punir o crime e providenciar a administração da justiça; (b) Proteger o direito e o controle do setor privado propriedade; (c) Fazer guerra defensiva e providenciar a defesa da nação; (d) Obrigar cada um que goza da proteção do governo a arcar com sua parcela justa do ônus de desempenhar as funções acima.

5. Sustento que a Constituição nega ao governo o poder de tirar do indivíduo sua vida, liberdade ou propriedade, exceto de acordo com a lei moral; que a mesma lei moral que governa as ações dos homens quando agem sozinhos também é aplicável quando eles agem em conjunto com outros; que nenhum cidadão ou grupo de cidadãos tem o direito de dirigir o seu agente, o governo, para praticar qualquer ato que seria mau ou ofensivo para a consciência se esse cidadão estivesse praticando ele próprio o ato fora da estrutura do governo.

6. Resolvo que, sob nenhuma circunstância, as liberdades garantidas pela Declaração de Direitos serão infringidas. Em particular, oponho-me a qualquer tentativa por parte do Governo Federal de negar ao povo o direito de portar armas, de adorar e orar quando e onde quiserem, ou de possuir e controlar a propriedade privada.

7. Eu nos considero em guerra com o comunismo internacional, que está comprometido com a destruição de nosso governo, nosso direito de propriedade e nossa liberdade; que é traição, tal como definida pela Constituição, dar ajuda e conforto a este inimigo implacável.

8. Sou inalterável contra o socialismo, no todo ou em parte, e considero-o uma usurpação inconstitucional de poder e uma negação do direito de propriedade privada para o governo possuir ou operar os meios de produção e distribuição de bens e serviços em concorrência com iniciativa privada, ou para regimento proprietários no uso legítimo da propriedade privada.

9. Afirmo que toda pessoa que goza da proteção de sua vida, liberdade e propriedade deve arcar com sua parcela justa dos custos do governo ao fornecer essa proteção; que os princípios elementares de justiça estabelecidos na Constituição exigem que todos os impostos cobrados sejam uniformes e que os bens ou rendimentos de cada pessoa sejam tributados à mesma taxa.

10. Acredito no dinheiro honesto, nas moedas de ouro e prata da Constituição e em um meio de circulação que pode ser convertido nesse dinheiro sem perdas. Considero uma violação flagrante das disposições explícitas da Constituição para o Governo Federal tornar crime o uso de moedas de ouro ou prata como curso legal ou o uso de papel-moeda irredimível.

11. Acredito que cada Estado é soberano no desempenho das funções que lhe são reservadas pela Constituição e é destrutivo de nosso sistema federal e do direito de autogoverno garantido pela Constituição ao Governo Federal de regular ou controlar os Estados no desempenho de suas funções ou engajar-se no desempenho de tais funções por conta própria.

12. Considero uma violação da Constituição a cobrança de impostos pelo Governo Federal para o sustento do governo estadual ou municipal; que nenhum governo estadual ou local pode aceitar fundos do governo federal e permanecer independente no desempenho de suas funções, nem os cidadãos podem exercer seus direitos de autogoverno sob tais condições.

13. Considero uma violação do direito à propriedade privada garantido pela Constituição ao Governo Federal privar à força os cidadãos desta nação de sua nação de sua propriedade por meio de impostos ou de outra forma, e fazer uma doação a governos estrangeiros ou seus cidadãos.

14. Acredito que nenhum tratado ou acordo com outros países deve privar nossos cidadãos dos direitos garantidos pela Constituição.

15. Considero uma violação direta da obrigação que lhe é imposta pela Constituição o Governo Federal de desmantelar ou enfraquecer nosso estabelecimento militar abaixo do ponto exigido para a proteção dos Estados contra invasões, ou de entregar ou entregar nossos homens, armas, ou dinheiro para o controle de organizações governamentais mundiais de minério. Acredito que essas coisas sejam o papel adequado do governo.


Nós nos afastamos muito do campo. Devemos retornar aos conceitos e princípios básicos - às verdades eternas. Não há outro caminho. Os sinais de tempestade estão altos. Eles são claros e ameaçadores.

As escrituras SUD também contêm declarações sobre o papel do governo:


1 - Cremos que os governos foram instituídos por Deus para o benefício do homem; e que ele responsabiliza os homens por seus atos em relação a eles, tanto ao fazer leis quanto administrá-las, para o bem e a segurança da sociedade.

2 - Acreditamos que nenhum governo pode existir em paz, a não ser que tais leis sejam formuladas e mantidas invioladas, que garantam a cada indivíduo o livre exercício da consciência, o direito e controle da propriedade e a proteção da vida ...

(Seção 134 de Doutrina e Convênios)


Esses princípios expressos por Ezra Taft Benson e Ludmila Lins Grilo são tão essenciais e válidos hoje quanto eram em tempos passados.

1 visualização0 comentário