top of page
Buscar
  • Luiz Carlos Silva Junior

O Efeito do Marxismo Cultural na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

Por Mormon Chronicle - Traduzido e Adaptado por Luiz Carlos Jr do vídeo do grupo Mormon Counter Narrative

Os agitadores feministas e pró-gays estão fazendo incursões na Igreja. Este texto é uma transcrição/adaptação do vídeo The Effect Of Cultural Marxism in the Mormon Church - é uma introdução à história dos Guerreiros da Justiça Social* e suas intenções com a Igreja.


* Guerreiros da Justiça Social é um termo frequentemente zombeteiro para alguém que é visto como excessivamente progressista ou de esquerda. Muitas vezes é abreviado como SJW , são normalmente usados ​​com aplicação sarcástica, referindo-se a uma pessoa que é vista como excessivamente entusiasmada com questões de justiça no tratamento de questões de raça, gênero ou identidade.

Eu quero me dirigir aos mórmons (membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias) sobre os Guerreiros da Justiça Social na Igreja, para aqueles que não estão cientes de quem são os Guerreiros da Justiça Social ou GJS, são feministas de esquerda e agitadores pró-gay, embora esses agitadores constituam uma pequena minoria na igreja eles conseguiram progredir quase instantaneamente devido ao apoio que recebem da mídia, seja o New York Times ou The Huffington Post ou com figuras locais como Peggy Fletcher Stack do Salt Lake Tribune.


Esses GJS santos dos últimos dias têm uma plataforma pública da qual podem seguir sua parte da agenda, e parte dessa agenda é criar a percepção de que existem certos grupos dentro da Igreja SUD que são marginalizados e até mesmo oprimidos. Identificando-se e alinhando-se com esses grupos eles podem criar a percepção de que suas causas são nobres e que eles são meramente vítimas e oprimidos e isso dá-lhes a capacidade de atacar a Igreja, mantendo também um senso de superioridade moral com o público em geral.


Eu tenho observado nos últimos anos como toda petição de reclamação e protesto de questão recebe uma quantidade generosa de atenção da mídia que pensou que um evento tão pequeno quanto usar calças para ir à igreja teria chegado ao radar do New York Times, que é uma das organizações de mídia mais poderosas e influentes dos Estados Unidos. Eu me pergunto se eles enxergam a ironia e usam o poder da mídia para criar a percepção de que eles não têm poder, não se enganem sobre isso, esses membros sud são incrivelmente poderosos não apenas eles têm a mídia do seu lado, mas também a academia de Hollywood, bem como centenas de grupos em todo o país que se dedicam a trazer justiça social para todas as organizações nos Estados Unidos e isso inclui A Igreja de Jesus Cristo dos Santos do Últimos Dias.


E, como vimos, eles não têm problemas em usar todo o peso de seu poder para pressionar nossos líderes a cederem às suas exigências, fiz este vídeo para mostrar aos membros sud que não importa o quanto nos esforcemos para tentar acalmá-los e mostrar que somos tolerantes, não importa o quanto cedamos às suas exigências, mesmo se dermos o sacerdócio às mulheres e permitirmos que os gays se casem na igreja, eles voltariam no dia seguinte com um novo conjunto de queixas e um novo conjunto de demandas.

Isso ocorre porque os guerreiros da justiça social são movidos por uma ideologia que foi especificamente projetada não para reformar instituições, mas sim para destruí-las.

Essa ideologia se manifesta de acordo com uma narrativa, essa mesma narrativa que culpa por quase todos os males da sociedade tanto o passado quanto o presente estão aos pés de apenas um punhado de grupos, principalmente brancos, homens heterossexuais e cristãos. Como se todo racismo, sexismo, homofobia e todas as outras fobias e ismos fossem características únicas apenas desses grupos.

As vítimas desta narrativa são basicamente todos os outros, menos geralmente as mulheres não-brancas e gays, embora a categoria se expanda para incluir mais grupos de vítimas como pessoas não-binárias, que são pessoas que não se identificam como homem ou mulher e ou pessoas que têm orientações sexuais alternativas.


Também o Islã se tornou parte da categoria de vítima, o que é surpreendente, dada a intolerância tanto para os direitos das mulheres quanto para os gays, mas entretanto, de acordo com a narrativa, apenas cristãos brancos podem ser culpados de intolerância. Essa narrativa é a fonte de correção política que pretendia tornar socialmente inaceitável criticar abertamente ou expressar opinião negativa sobre grupos pertencentes à categoria de vítima, rotulando como crimes de discurso de ódio e muitas vezes são fortemente divulgados por nossos meios de comunicação, nas escolas e especialmente as universidades também estão profundamente investidas em promover essa narrativa e muitas vezes escolhem fatos históricos e deturpam estatísticas para apoiar suas alegações de que apenas certos grupos são e sempre foram vítimas de uma cultura construída por homens cristãos brancos e heterossexuais.


Estava ciente dessa narrativa, mas nunca tinha sido tão na minha cara como quando eu estava na faculdade, qualquer informação que eu compartilhasse que fosse contrária a essa narrativa era desculpada ou ignorada por meus professores, tornou-se evidente para mim que a narrativa era mais importante para eles do que a verdade, isso me levou a perguntar; quem inventou isso de ideologia? e quem nos separou nas categorias? e quem decidiu quais grupos poderiam ser considerados?


Consegui ver quais grupos eram opressores depois de algumas pesquisas e aprendi que, o que meus professores estavam me ensinando era uma ideologia chamada marxismo cultural.


Marxismo Cultural compartilha objetivos semelhantes ao marxismo regular, onde eles visam um governo mundial sob a tutela do Comunismo. A diferença entre os dois é a estratégia que é apresentada para você. Para estabelecer um governo comunista primeiro deve haver uma revolução, para que haja uma revolução deve primeiro haver um grupo de pessoas dispostas a derrubar a hierarquia existente, no marxismo regular este grupo era para ser a classe trabalhadora.

No Livro de Mórmon lemos sobre como um grupo de homens maus incitou o coração de certos grupos à ira contra o povo de Deus para lhes trazer a guerra, esta é a estratégia usada pelos revolucionários marxistas, agitando os corações da classe trabalhadora, eles poderiam usá-los para derrubar a classe dominante e estabelecer sua utopia comunista. Essa estratégia funcionou em lugares como a Rússia, que era um país menos desenvolvido e mais agrário, mas falhou em nações capitalistas modernas e industrializadas como Inglaterra, Alemanha e Estados Unidos, a razão do insucesso, nas palavras de seus líderes, foi que os trabalhadores ficaram cegos pelo sucesso material e prosperidade geral no Ocidente, que os impediu de reconhecer sua consciência de classe e provocar a revolução.


Em outras palavras, eles não conseguiram pessoas suficientes para derrubar o sistema existente, porque muitas pessoas estavam felizes com o sistema atual, então tiveram que encontrar outro caminho. É ai que surge o intelectual marxista Antonio Gramsci, que acreditava ser o melhor caminho para tomar o poder e desenvolver a sociedade industrializada como a Europa e os Estados Unidos seriam melhor alcançadas através de uma longa marcha pelas instituições.


Isto significava trabalhar contra as instituições estabelecidas enquanto estiver trabalhando nelas, soa familiar?! O objetivo seria apodrecer a civilização ocidental por dentro, atacando as bases culturais tradicionais da sociedade ocidental, infiltrando e dominando campos com influência formadora de opinião, como Hollywood e academia (Universidades).

Eles poderiam desconstruir e diminuir a importância de coisas como o orgulho da paternidade na família, o cristianismo tradicional, os papéis de gênero, as atitudes em relação ao sexo e o amor ao próprio país, essas qualidades na cultura ocidental eram considerados psicologicamente anormais e opressores, eles também os consideravam um obstáculo ao marxismo e, portanto, precisavam ser destruídos.

A organização responsável por supervisionar essa transição e estratégia foi a Escola de Frankfurt.

A Escola de Frankfurt deve ser conhecida em todos os lares mórmons, especialmente se seus filhos estão indo para escolas públicas e universidades, pois os jovens estão sendo fortemente doutrinados nas ideias que se originaram desse grupo de reflexão marxista.

A nova estratégia concebida pela Escola de Frankfurt foi desconectar o marxismo da economia e anexá-lo à cultura, assim como o marxismo clássico procurou explorar a relação entre a classe trabalhadora e a classe dominante, na forma de grupos oprimidos versus grupos opressores a nova vanguarda da revolução marxista seria uma coalizão de vítimas de grupos minoritários que é o que conhecemos hoje como guerreiros da justiça social - GJS.


No interesse de ir junto para se dar bem entregamos a maior parte de nossa cultura para as pessoas que querem refazê-lo à sua imagem, eles fizeram seu caminho através das instituições americanas nos últimos 50 anos e, como estamos vendo, eles estão fazendo incursões na Igreja SUD, é importante que os membros vejam esses GJS pelo que eles realmente são, revolucionários marxistas.

Agora posso falar um pouco sobre seus objetivos e táticas, mas no devido ao tempo vou apenas dizer que seu objetivo final é causar uma revolução dentro da Igreja, virando seus próprios membros contra seus líderes, realmente não fica mais marxista do que isso. Minha preocupação é que os membros não os vejam pela ameaça que são, por favor, lembre-se que seus alvos principais são os jovens da igreja e eles estão sendo bombardeados com métodos marxistas de todos os ângulos, desde as escolas primárias até as universidades, suas mentes estão sendo preparadas para rejeitar todas as formas de identidade natural e substituí-la por uma disfunção que quer destruir tudo isso que é bom e saudável neste mundo.


21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page