O Élder Jeffrey R. Holland Exorta a BYU a Abraçar Sua Singularidade e a Permanecer Fiel ao Salvador


O Élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze Apóstolos de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, falou aos funcionários e alunos da Universidade Brigham Young (BYU) na abertura do ano letivo. Onde receberam instruções, informações e um discurso de incentivo anual.


O ex-aluno da BYU (na década de 1960) e presidente (1980–1989) expressou seu profundo amor pela universidade, observou as bênçãos de uma escola voltada para o evangelho restaurado de Jesus Cristo e elogiou o corpo docente por suas muitas realizações. Também fez comentários sobre os cuidados "...para que o amor e a empatia não sejam interpretados como indulgência e defesa, ou que a ortodoxia e a lealdade aos princípios não sejam interpretadas como indelicadeza ou deslealdade para com as pessoas."


Leia o discurso na integra abaixo.


BYU Conferência Anual da Universidade

23 de agosto de 2021

Por Élder Jeffrey R. Holland


Alguém me disse uma vez que os jovens falam do futuro porque não têm passado, enquanto os idosos falam do passado porque não têm futuro. Embora prejudique esse pequeno aforismo, venho até vocês como o verdadeiro Ancião dos Dias para falar do futuro da BYU, mas um futuro ancorado em nosso passado distinto. Se eu tiver formulado isso direito, significa que posso falar sobre o que quiser.


Agradeço que toda a família universitária esteja reunida hoje - professores, funcionários e administração. Independentemente da descrição do seu trabalho, vou falar com todos vocês como professores porque na BYU isso é o que todos nós somos. Obrigado por serem modelos fiéis a esse respeito.


Não tenho certeza, mas acho que foi no verão de 1948 quando tive minha primeira experiência com a BYU. Eu tinha 7 anos. Estávamos voltando para St. George de uma de nossas raras viagens a Salt Lake City. Conforme descíamos a velha rodovia 91, vi no alto, na encosta de uma das colinas, uma enorme letra “Y” - branco, ousado e bonito.


Não sei como explicar aquele momento, mas foi uma verdadeira epifania para uma criança de 7 anos. Se eu tivesse visto aquele “Y” no carro ou em qualquer outro momento, não conseguia me lembrar. Mas eu vi naquele dia e acredito que foi uma revelação de Deus. De alguma forma, eu sabia que aquela letra em negrito significava algo especial e que um dia teria um papel significativo em minha vida. Quando perguntei à minha mãe o que significava, ela disse que era o emblema de uma universidade. Pensei nisso por um momento e então disse baixinho: "Bem, deve ser a maior universidade do mundo."


Minha chance de realmente entrar no campus veio em junho de 1952, quatro anos depois daquele primeiro avistamento. Naquele verão, acompanhei meus pais a uma daquelas primeiras “Semanas de Liderança”, uma precursora do que agora é a imensamente popular “Semana da Educação” realizada no campus. Isso significa que vim aqui para minha primeira experiência com a BYU há 69 anos, com uma prévia disso quatro anos antes. Se alguém nesta plateia veio para este campus há mais tempo, por favor, venha e faça esta palestra. Caso contrário, sente-se quieto e seja paciente. Como Elizabeth Taylor disse a seus oito maridos: "Não vou mantê-los por muito tempo."


O que quero dizer, queridos amigos, é simplesmente o seguinte: amo a BYU há quase três quartos de século. Somente meu serviço e testemunho de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, incluindo meu casamento e os lindos filhos que ele nos deu, me afetaram tão profundamente quanto minha decisão de estudar na Universidade Brigham Young. Ao testemunhar, represento literalmente centenas de milhares de outros alunos que dizem a mesma coisa.


Então, para legiões de nós ao longo dos anos, eu digo: “Obrigado pelo que você faz. Obrigado pelas aulas ministradas e pelas refeições servidas e pelos jardins tão bem cuidados. Obrigado pelo horário de expediente e pelos experimentos de laboratório e testemunhos compartilhados - presentes dados a pessoas pequenas como eu para que pudéssemos crescer e ser grandes como você. Obrigado por escolher estar na BYU porque sua escolha afetou nossa escolha e, como o caminho poético do Sr. Frost, "isso fez toda a diferença." [1]


Pedi ao Presidente Worthen uma amostra das coisas boas que têm acontecido ultimamente, e fiquei encantado com a pilha de itens que ele me deu - letras pequenas, linhas em espaço simples - tudo, desde reconhecimentos acadêmicos e classificações acadêmicas a sucesso atlético e o alcance da BYUtv. Karl G. Maeser (Embora não tenha si o primeiro diretor da BYU, ele é considerado seu fundador) ficaria tão orgulhoso quanto eu.


Mas Kevin e eu sabemos que essas não são as verdadeiras histórias de sucesso da BYU. Esses são, sim, como alguns dizem das ordenanças na Igreja, "sinais exteriores de uma graça interior." Os verdadeiros sucessos da BYU são as experiências pessoais que milhares aqui tiveram, experiências pessoais difíceis de documentar, categorizar ou listar. No entanto, elas são tão poderosas em seu impacto no coração e na mente que nos mudaram para sempre.


Eu corro o risco de citar qualquer exemplo além do meu, mas deixe-me mencionar apenas um ou dois.


Um de nossos colegas sentados aqui esta manhã fala de seu primeiro semestre, a inscrição pré-missão na aula de História da Civilização do meu amigo Wilford Griggs. Mas essa seria a civilização vista pelas lentes da BYU. Assim, como preâmbulos do curso, Wilford pediu aos alunos que lessem o “Discurso do Segundo Século” (Second Century Address) do Presidente Spencer W. Kimball [2] e o primeiro capítulo de Hugh Nibley, (Approaching Zion) Aproximando-se de Sião. [3]


Em conjunto, nosso amigo muito letrado diz que essas duas leituras “forjaram uma união indestrutível em minha mente e em meu coração entre dois ideais elevados - o de uma universidade consagrada com o de uma cidade santa. Sião, passei a acreditar, seria uma cidade com uma escola [e eu acrescentaria, um templo] algo como uma cidade universitária celestial, ou talvez um reino universitário”.


Após sua missão, nosso amigo do corpo docente voltou a Provo, onde caiu sob o feitiço de expansão da alma de John Tanner, "o ideal platônico de um professor da BYU - soberbamente qualificado em todos os sentidos seculares, totalmente comprometido com o reino e absolutamente efervescente de amor para o Salvador, Seus alunos e Seu assunto. Ele passou perfeitamente da análise cuidadosa do professor para um poderoso testemunho pessoal. Ele sabia de cor dezenas de passagens de Milton e outros poetas, [ainda] versos das escrituras fluíram, se alguma coisa, ainda mais livremente da abundância de seu coração consagrado: Fui infalivelmente edificado pela paixão de seus ensinamentos e a eloquência de seus exemplos.” [4]


Por que tal pessoa viria lecionar na BYU depois de uma experiência de pós-graduação verdadeiramente distinta que poderia muito bem tê-lo levado a praticamente qualquer universidade nos Estados Unidos? Porque, nosso colega diz: “Em um dia vindouro, os cidadãos de Sião ‘surgirão com canções de alegria eterna’ [Moisés 7:53]. Espero”, escreve ele, “ajudar meus alunos a ouvir aquele coro à distância e emprestar suas próprias vozes, com o tempo, ao refrão crescente”. [5]

Essas são as experiências que esperamos proporcionar aos nossos alunos na BYU, embora provavelmente nem sempre expressas de forma tão poética. Então, imagine a dor que acompanha um memorando como este que recebi recentemente. Estas são apenas meia dúzia de linhas de um documento de duas páginas:


“Você deve saber”, diz o escritor, “que algumas pessoas na comunidade estendida estão se sentindo abandonadas e traídas pela BYU. Parece que alguns professores (pelo menos os mais vocais na mídia) estão apoiando ideias que muitos de nós consideramos contraditórias aos princípios do evangelho, fazendo com que pareça ser como qualquer outra universidade que nossos filhos e filhas poderiam ter frequentado. Vários pais disseram que não querem mais mandar seus filhos para cá ou doar para a escola.


“Por favor, não pense que me oponho a que as pessoas pensem de forma diferente sobre políticas e ideias”, continua o escritor. "Eu não estou. Mas eu espero que os professores da BYU façam a ponte entre a fé e o intelecto e enviem alunos que estão prontos para fazer o mesmo de maneira amorosa, inteligente e articulada. No entanto, temo que alguns professores não apoiem as doutrinas e políticas da Igreja e optem por criticá-las publicamente. Existem consequências para isso. Depois de servir missão de tempo integral e casar-se com o marido no templo, uma amiga minha deixou recentemente a igreja. Em sua declaração de graduação em um post de mídia social, ela creditou [tal e tal programa da BYU e seu corpo docente] com a radicalização de suas atitudes e a destruição de sua fé.” [6]


Felizmente, não recebemos muitas dessas cartas, mas esta não é a única. Vários de meus colegas recebem o mesmo tipo, com a maioria deles sendo encaminhados ao pobre Presidente Worthen. Agora, a maior parte do que acontece neste campus é maravilhoso. É por isso que comecei como comecei, com meu próprio amor eterno por este lugar.


Mas de vez em quando precisamos de um lembrete do desafio que enfrentamos constantemente aqui. Aqui está o que eu disse sobre esse assunto exatamente 41 anos atrás, quase no mesmo dia. Eu fui presidente por três semanas.


Eu disse então e digo agora que se formos uma extensão de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, pegando uma quantidade significativa de dízimos sagrados e outros recursos humanos preciosos, todos os quais bem poderiam ser gastos em outras causas dignas, certamente nossa integridade exige que nossa vida seja absolutamente consistente e com características do evangelho restaurado de Jesus Cristo. Em uma universidade, sempre haverá um debate saudável sobre todo um programa de estudos cheio de questões. Mas até que “todos cheguemos à unidade da fé, e... [crescermos] à medida da estatura da plenitude de Cristo”, [7] nossa próxima melhor realização será permanecer em harmonia com os ungidos do Senhor, aqueles a quem Ele designou para declarar a doutrina da Igreja e guiar a Universidade Brigham Young como seus curadores. [8]


Em 2014, há sete anos, o então Élder Russell M. Nelson veio ao campus neste mesmo ambiente. Seus comentários foram relativamente breves, mas ele disse de maneira expressiva:


“Com a Igreja crescendo mais rapidamente nos países menos prósperos, nós... devemos conservar os fundos sagrados com mais cuidado do que nunca.


“Na BYU, devemos nos aliar ainda mais intimamente ao trabalho de nosso Pai Celestial...


“A educação universitária para nosso povo é uma responsabilidade sagrada, [mas] não é essencial para a vida eterna.” [9]


Uma declaração como essa chama minha atenção, especialmente porque pouco tempo depois, o Presidente Nelson preside nosso Conselho, segura os cordões da bolsa e tem o “sim” ou “não” final em cada proposta que fazemos de um novo laboratório de pesquisa, para mais espaço de estudo de graduação, até a aprovação de uma nova picape para o pessoal das instalações físicas! Russell M. Nelson é muito, muito bom em nos ouvir. Nós, que nos sentamos com ele todos os dias, aprendemos o valor de ouvi-lo atentamente.


Três anos depois, 2017, o Élder Dallin H. Oaks, não naquela época, mas em breve estaria na Primeira Presidência, onde se sentaria, a apenas uma cadeira - um batimento cardíaco - da mesma posição que o Presidente Nelson tem agora, citou nosso colega, o Élder Neal A. Maxwell que disse:


“De certa forma, [os] estudiosos [santos dos últimos dias] na BYU e em outros lugares são um pouco como os construtores do templo em Nauvoo, que trabalhavam com uma espátula em uma das mãos e um mosquete na outra. Hoje, os estudiosos que estão construindo o templo do aprendizado também devem fazer uma pausa ocasional para defender o reino. Pessoalmente, penso”, prosseguiu o Élder Maxwell, “esta é uma das razões pelas quais o Senhor estabeleceu e mantém esta universidade. O duplo papel de construtor e defensor é único e contínuo. Sou grato por termos estudiosos hoje que podem manusear, por assim dizer, espátulas e mosquetes.” [10]


Então, o Élder Oaks disse desafiadoramente: “Gostaria de ouvir um pouco mais de tiros de mosquete deste templo do aprendizado”. [11] Ele disse isso de uma forma que poderia ser aplicada a uma série de tópicos em vários departamentos, mas aquele que ele especificamente mencionada foi a doutrina da família e a defesa do casamento como a união de um homem e uma mulher. Mal sabia ele que, embora muitos ouviriam seu apelo, especialmente a área Escola de Vida Familiar que agiu rápida e visivelmente para ajudar, alguns outros dispararam seus mosquetes, mas infelizmente nem sempre miraram nos hostis à Igreja. Algumas rodadas perdidas chegaram ao norte da ponta da montanha!



Meus amados irmãos e irmãs, “uma casa dividida contra si mesma. . . eu não posso suportar”, [12] e irei para o túmulo implorando que esta instituição não apenas se mantenha, mas permaneça inquestionavelmente comprometida com sua missão acadêmica única e com a Igreja que a patrocina. Esperamos que não seja uma surpresa para você que seus curadores não sejam surdos ou cegos aos sentimentos que giram em torno do casamento e todo o tópico do mesmo sexo no campus. Eu e muitos de meus irmãos gastamos mais tempo e derramamos mais lágrimas sobre esse assunto do que poderíamos transmitir adequadamente a vocês esta manhã ou em qualquer outra manhã. Passamos horas discutindo o que a doutrina da Igreja pode e não pode proporcionar às pessoas e famílias que lutam por causa dessa difícil questão. Portanto, é com nosso próprio tecido cicatricial que estamos tentando evitar - e esperamos que todos tentem evitar - linguagem, símbolos e situações que são mais divisivas do que unificadoras, no momento em que queremos mostrar amor por todos os filhos de Deus.


Se um aluno comanda um púlpito de formatura com o objetivo de representar todos os que estão recebendo diplomas para anunciar sua orientação sexual pessoal, o que outro palestrante se sentirá à vontade para anunciar no ano seguinte até que, eventualmente, aconteça alguma coisa? O que o começo pode significar - ou não significar - se empurrarmos a licença individual sobre a dignidade institucional por muito tempo? Simplesmente acabamos com mais divisão em nossa cultura do que já temos - e já temos muito em todos os lugares.


Com esse espírito, não vou mais longe antes de declarar inequivocamente meu amor e o de meus irmãos por aqueles que vivem com este desafio do mesmo sexo e com a complexidade que o acompanha. Muitas vezes o mundo tem sido cruel, em muitos casos extremamente cruel, com esses nossos irmãos e irmãs. Como muitos de vocês, passamos horas com eles e choramos, oramos e choramos novamente em um esforço para oferecer amor e esperança enquanto mantemos o evangelho forte e a obediência aos mandamentos evidentes em cada vida individual.


Mas ajudará a todos no fornecimento de tal ajuda se as coisas puderem ser mantidas em alguma proporção e equilíbrio no processo. Por exemplo, temos que ser cuidadosos que o amor e a empatia não sejam interpretados como tolerância e defesa, ou que a ortodoxia e a lealdade ao princípio não são interpretadas como indelicadeza ou deslealdade às pessoas. Pelo que posso dizer, Cristo nunca negou seu amor a ninguém, mas Ele também nunca disse a ninguém, “porque eu te amo, você está isento de guardar meus mandamentos." Temos a tarefa de tentar atingir esse mesmo equilíbrio sensível e exigente em nossas vidas.


Tiro de mosquete? Sim, sempre precisaremos de defensores da fé, mas "fogo amigo" é uma tragédia - e de vez em quando a igreja, seus líderes e alguns de nossos colegas dentro da comunidade universitária pegam fogo neste campus. E às vezes não é amigável - ferir alunos e pais de alunos que estão confusos sobre o que tanto o recente aceno de bandeiras e desfile sobre este assunto significa. Amados amigos, esse tipo de confusão e conflito não deveria acontecer. Existem maneiras melhores de avançar em direção a metas crucialmente importantes nessas questões muito difíceis - maneiras que mostram empatia e compreensão para todos, mantendo a lealdade à liderança profética e da devoção à doutrina revelada. Meus irmãos fizeram a metáfora do tiro de mosquete, que eu endossei novamente hoje. Continuarão a haver quem se oponha aos nossos ensinamentos e com isso continuará a necessidade de definir, documentar e defender a fé. Mas todos nós estamos ansiosos para o dia em que podemos "Transforme nossas espadas em relhas de arado e [nossas] lanças em ganchos de poda” e, pelo menos neste assunto, “aprenda que a guerra [não] mais." [13] E embora eu tenha me concentrado neste tópico do mesmo sexo esta manhã mais do que eu gostaria, eu oro para que você veja isso como emblemático de muitas questões que nossos alunos e comunidade enfrentam neste nosso mundo contemporâneo e complexo.


Mas estou divagando! De volta às bênçãos de uma escola em Sião! Você vê o belo paralelo entre o desdobramento da Restauração e o desenvolvimento profético da BYU, embora ambos tenham críticos ao longo do caminho? Como a própria Igreja, a BYU cresceu em força espiritual, no número de pessoas que alcança e serve, e em seu lugar único entre outras instituições de ensino superior. Tem crescido em reputação nacional e internacional. Cada vez mais o corpo docente está se destacando e, o que é mais importante, cada vez mais os alunos.


Reforçando o fato de que muitos entendem exatamente o que é esse sonho da BYU, não muito tempo atrás, um de vocês escreveu para mim esta descrição maravilhosa do que ele pensava ser o “chamado” para aqueles que servem na BYU:


“O chamado do Senhor [para aqueles de nós que servem na BYU] é a... chamada para criar experiências de aprendizagem de profundidade, qualidade e impacto sem precedentes... Por melhor que a BYU seja e tem sido, esta é uma chamada para fazer [melhor]. Isto é... uma chamada para educar muitos mais alunos, para mais... efetivamente ajudá-los a se tornarem verdadeiros discípulos de Jesus Cristo, para prepará-los para... liderar em suas famílias, na Igreja, em suas [profissões] e em um mundo cheio de comoção..., mas [atendendo a este chamado] ... não pode ser [feito com sucesso] sem a ajuda Dele... Eu acredito que a ajuda virá de acordo com a fé e obediência do tremendamente bom povo da BYU.” [14] concluiu o escritor.


Eu concordo entusiasticamente com esse tipo de chamado aqui e com essa referência e confiança no "povo tremendamente bom da BYU". [15] Permitam-me enfatizar essa ideia de tal chamado, retornando ao (Second Century Address) "Discurso do Segundo Século" do Presidente Kimball.


Nosso brilhante e promissor Comissário de Educação, o Élder Clark Gilbert, é meu companheiro de viagem hoje. Você pode ter certeza de que ele ama esta instituição, sua alma mater, profundamente e traz à sua designação uma reverência por sua missão e mensagem. Como parte de sua introdução a você, estou pedindo ao Élder Gilbert que venha ao campus em qualquer data que ele e o Presidente Worthen possam definir, e sejam essas visitas formais, casuais ou ambas, espero que eles possam realizar as duas coisas: Primeiro de tudo espero que você perceba rapidamente os pontos fortes notáveis que o Élder Gilbert traz a seu chamado, ao mesmo tempo que aprende mais sobre a nau capitânia de sua frota e por que nosso esforço em um Sistema Educacional da Igreja seria um fracasso sem a saúde, o sucesso e participação da BYU. Em segundo lugar, observando que faltam apenas alguns anos para a metade do segundo cem anos de que falou o Presidente Kimball, acho que seria fascinante saber se estamos, de fato, fazendo algum progresso nos desafios que ele colocou diante de nós e dos quais o Élder David Bednar lembrou à equipe de liderança da BYU há apenas algumas semanas.


Quando você ler o discurso do Presidente Kimball novamente, uma cópia do qual será distribuída após esta conferência, gostaria de pedir-lhe que preste atenção especial ao esforço daquele doce profeta para pedir que sejamos únicos. Em seu discurso, o Presidente Kimball usou a palavra “único” oito vezes e “especial” oito vezes. Parece claro para mim em meus 73 anos de amor que a BYU se tornará um “Monte Everest educacional” apenas na medida em que abraçar sua unicidade, sua singularidade. [16] Poderíamos imitar todas as outras universidades do mundo até que sangrássemos no esforço e o mundo ainda dissesse: "Quem é BYU?" Não, devemos ter a vontade de ficarmos sozinhos, se necessário, sendo uma universidade inigualável em seu papel principalmente como uma instituição de ensino de graduação que é inequivocamente fiel ao evangelho do Senhor Jesus Cristo no processo. Se no futuro essa missão significar renunciar a algumas afiliações e certificações profissionais, que assim seja. Pode chegar o dia em que o preço que devemos pagar por tal associação seja simplesmente muito alto, muito inconsistente com quem somos. Ninguém quer que chegue a esse ponto, mas, se isso acontecer, iremos perseguir o nosso próprio destino, um “destino [que] não é uma questão de sorte; [mas em grande parte] uma questão de escolha; . . . não uma coisa a ser esperada, [mas] uma coisa a ser [prevista e] alcançada.” [17]


"Mãe, o que é aquele grande 'Y' naquela montanha?"


“Significa a universidade aqui em Provo: Brigham Young University.”


“Bem, deve ser a maior universidade do mundo.”


E assim, para Jeff Holland, é. Para ajudá-los a perseguir esse destino da única maneira real que sei como ajudar, deixo uma bênção apostólica sobre cada um de vocês ao iniciar mais um ano escolar. Em nome do Senhor Jesus Cristo e com gratidão por Seu santo sacerdócio, eu os abençoo pessoalmente, abençoo os alunos que ficarão sob sua influência e abençoo a universidade como um empreendimento em todo o campus. Eu os abençoo para que a fé pessoal profunda seja sua palavra de ordem e as bênçãos intermináveis da retidão pessoal sejam sua recompensa eterna. Abençoo seu trabalho profissional para que seja admirado por seus colegas, e abençoo sua devoção às verdades do evangelho de que será a graça salvadora na vida de algum aluno. Abençoo sua família para que aqueles que você espera que sejam fiéis em guardar seus convênios sejam salvos, pelo menos em parte, porque vocês têm sido fiéis em guardar os seus. A luz vence as trevas. A verdade triunfa contra o erro. A bondade vence o mal no final.


Abençoo cada um de vocês com todos os desejos justos de seu coração e agradeço por dar seu amor e lealdade à BYU. Por favor. De alguém que deve muito a esta escola e que a amou profundamente por tanto tempo, mantenha-a não apenas em pé, mas também no que ela deve ser de maneira única e profética. Que o restante do ensino superior “veja suas boas obras e glorifique [nosso] Pai que está nos céus”. [18]


Oro em nome de Jesus Cristo. Amém.


[1] See Robert Frost, “The Road Not Taken,” Mountain Interval (New York: Henry Holt and Co., 1916), 9, Google Books, accessed Aug. 12, 2021.

[2] Spencer W. Kimball, “Second Century Address,” BYU Studies Quarterly vol. 16, no. 4 (Oct. 1976): 455–457, accessed Aug. 12, 2021, available at https://scholarsarchive.byu.edu/byusq/vol16/iss4/2.

[3] Hugh Nibley, “Our Glory or Our Condemnation,” Approaching Zion, vol. 9 of The Collected Works of Hugh Nibley, ed. by Don E. Norton (Salt Lake City: Deseret Book, 1989), 1–24.

[4] Personal correspondence, August 1, 2021.

[5] Personal correspondence, August 1, 2021. Scripture quoted is Moses 7:53.

[6] Personal correspondence, June 10, 2021

[7] Ephesians 4:13.

[8] See Jeffrey R. Holland, “The Bond of Charity,” Annual University Conference, Aug. 26, 1980.

[9] Russell M. Nelson, “Controlled Growth,” BYU Leadership Meeting, Aug. 25, 2014.

[10] Neal A. Maxwell, “Blending Research and Revelation,” remarks at the BYU President’s Leadership Council meetings, 19 March 2004; quoted in Dallin H. Oaks, “Challenges to the Mission of Brigham Young University,” Commencement Address, Apr. 21, 2017.

[11] Dallin H. Oaks, “It Hasn’t Been Easy,” BYU commencement address, Aug. 14, 2014, quoted in Dallin H. Oaks, “Challenges to the Mission of Brigham Young University,” BYU commencement address, April 2017.

[12] Mark 3:25.

[13] Isaiah 2:4.

[14] Personal correspondence, June 21, 2021.

[15] Ibid.

[16] See Spencer W. Kimball, “Second Century Address,” BYU Studies Quarterly vol. 16, no. 4 (Oct. 1976): 455, accessed Aug. 12, 2021, available at https://scholarsarchive.byu.edu/byusq/vol16/iss4/2.

[17] William Jennings Bryan, Speeches of William Jennings Bryan vol. 2 (New York: Funk and Wagnalls, Co., 1913), 11, Google Books, accessed Aug. 12, 2021.

[18] Matthew 5:16; see also 3 Nephi 12:16.




3 visualizações0 comentário