AS LEIS DA TERRA E A 12º REGRA DE FÉ

Atualizado: Abr 8

12º - Cremos na submissão a reis, presidentes, governantes e magistrados; na obediência, honra e manutenção da lei.


Alguns santos dos últimos dias aceitam a 12ª Regra de Fé ao pé da letra, sem entender o contexto adicional fornecido em outras escrituras e nas declarações de líderes da igreja.


Não é incomum ouvir isso de um santo dos últimos dias:

“Estamos obedecendo, porque é a lei e os santos devem apoiar e cumprir a lei”.


É importante considerar um contexto mais completo da doutrina e dos ensinamentos SUD com relação à obediência à lei, para que não ajamos por ignorância.



4 - E agora, em verdade vos digo com respeito às leis do país: É a minha vontade que o meu povo procure fazer todas as coisas que eu lhe mandar.

5 - E a lei do país, que for constitucional, que apoiar o princípio da liberdade na observância de direitos e privilégios, pertencerá a toda a humanidade e será justificável perante mim.

6 - Portanto, eu, o Senhor, vos justifico, vós e vossos irmãos de minha igreja, no apoio à lei que é a lei constitucional do país;

7 - E quanto às leis dos homens, o que for mais ou menos do que isso provém do mal.

8 - Eu, o Senhor Deus, liberto-vos; portanto, sois verdadeiramente livres. E a lei também vos liberta.

9 - Mas quando os iníquos governam, o povo pranteia.

10 - Deve-se, portanto, procurar diligentemente homens honestos e homens sábios; e homens bons e homens sábios devereis apoiar; pois o que for menos do que isto provém do mal.

11 - E dou-vos o mandamento de renunciardes a todo mal e vos apegardes a todo o bem e viverdes por toda palavra que sai da boca de Deus. (D&C 98: 4-11)


Só somos obrigados a obedecer à lei que é constitucional e apoia a liberdade. No entanto, se escolhermos desobedecer aos ditames dos homens maus, também podemos correr o risco de ter que enfrentar o castigo injusto do homem; no entanto, seríamos justificados diante de Deus em nossas ações.


76 - E também vos digo: É a minha vontade que aqueles que foram dispersos por seus inimigos continuem a exigir compensação e redenção das mãos daqueles que foram colocados como governantes e que têm autoridade sobre vós.

77 - De acordo com as leis e a constituição do povo, que permiti fossem estabelecidas e que devem ser mantidas para os direitos e a proteção de toda carne, segundo princípios justos e santos;

78 - Para que todo homem aja, em doutrina e princípio relativos ao futuro, de acordo com o arbítrio moral que lhe dei, para que todo homem seja responsável por seus próprios pecados no dia do juízo.

79 - Portanto, não é certo que homem algum seja escravo de outro.

80 - E com esse propósito estabeleci a Constituição deste país, pelas mãos de homens prudentes que levantei para esse propósito; e redimi a terra pelo derramamento de sangue. (D&C 101: 76-80)


Novamente, temos mais revelações do Senhor para Joseph Smith, declarando que embora os iníquos possam governar, é nossa responsabilidade defender nossos direitos e os princípios justos e santos.


Considere estes trechos da seção 134 de Doutrina e Convênios , que é uma declaração de fé a respeito de governos e leis em geral:


“Cremos que os governos foram instituídos por Deus para o benefício do homem; e que ele responsabiliza os homens por seus atos em relação a eles ...

“Acreditamos que nenhum governo pode existir em paz, a não ser que tais leis sejam formuladas e mantidas invioladas que garantam a cada indivíduo o livre exercício da consciência, o direito e o controle da propriedade e a proteção da vida.

“Acreditamos que todos os homens são obrigados a apoiar e defender os respectivos governos nos quais residem, enquanto protegidos em seus direitos inerentes e inalienáveis ​​pelas leis de tais governos; e que a sedição e a rebelião são inadequadas a todo cidadão assim protegido ...”



1 - Nós cremos que os governos foram instituídos por Deus em benefício do homem; e que ele considera os homens responsáveis por seus atos em relação aos mesmos, tanto na formulação de leis como em sua execução, para o bem e segurança da sociedade.

2 - Cremos que nenhum governo pode existir em paz a não ser que tais leis sejam feitas e mantidas invioladas, de modo a garantir a todo indivíduo o livre exercício de consciência, o direito e domínio de propriedade e a proteção da vida.

...

5 - Cremos que todos os homens têm a responsabilidade de suster e apoiar o governo do lugar em que residem, desde que protegidos em seus direitos inerentes e inalienáveis pelas leis de tal governo; e que o motim e a rebelião são inadequados a todo cidadão assim protegido e devem ser punidos convenientemente; e que todos os governos têm o direito de estabelecer leis que, a seu ver, sejam mais adequadas para assegurar os interesses públicos; ao mesmo tempo, contudo, mantendo sagrada a liberdade de consciência.


Além disso, Joseph Smith fez outras declarações sobre nosso dever para com a lei:


“Os diferentes estados, e até o próprio Congresso, aprovaram muitas leis diametralmente contrárias à Constituição dos Estados Unidos ...

Seremos tolos a ponto de sermos regidos por suas leis, que são inconstitucionais? Não!

A Constituição reconhece que o povo tem todo o poder não reservado a si mesmo. …

Esta é a doutrina da Constituição, então me ajude Deus. A Constituição não é lei para nós, mas faz provisões para nós por meio das quais podemos fazer leis. Onde está previsto que ninguém será impedido de adorar a Deus de acordo com sua própria consciência, é uma lei. Nenhuma legislatura pode promulgar uma lei para proibi-lo. A Constituição prevê regular os órgãos dos homens e não dos indivíduos.” (Joseph Smith Papers, p. 1484)


É bastante claro que embora acreditemos em “obedecer, honrar e manter a lei”, existe a exigência de que essas leis sejam justas e não infrinjam os direitos das pessoas. Como disse Tomás de Aquino, "uma lei injusta não é realmente uma lei."


Os Estados Unidos da América não existiriam se os Pais Fundadores acreditassem, como muitos fazem hoje, em obedecer aos decretos de funcionários públicos corruptos.

Thomas Jefferson acreditava que desobediência aos tiranos é obediência a Deus e fez disso seu selo pessoal.


Para uma melhor compreensão de por que esses conceitos são importantes, considere o papel adequado do governo:


“… A função adequada do governo é limitada apenas às esferas de atividade dentro das quais o cidadão tem o direito de agir. Ao derivar seus justos poderes dos governados, o governo se torna principalmente um mecanismo de defesa contra danos corporais, roubo e servidão involuntária. Não pode reivindicar o poder de redistribuir a riqueza ou forçar cidadãos relutantes a realizar atos de caridade contra sua vontade. O governo é criado pelo homem. Nenhum homem possui tal poder de delegar. A criatura não pode exceder o criador.


Em termos gerais, portanto, o papel adequado do governo inclui atividades defensivas, como manter forças militares nacionais e policiais locais para proteção contra perda de vidas, perda de propriedade e perda de liberdade nas mãos de déspotas estrangeiros ou criminosos domésticos.” (Ezra Taft Benson, The Proper Role of Government)


Ezra Taft Benson, em uma palestra intitulada “A décima segunda regra de fé”, expôs ainda mais esses conceitos:


“Nele está uma declaração que exige obediência, lealdade e respeito pelas leis devidamente constituídas e pelos funcionários que administram essas leis. Ao justificar tal obediência leal, porém, o Senhor também promulgou certas salvaguardas e condições que devem ser observadas se as liberdades forem preservadas e desfrutadas. Isso é enfatizado principalmente nas seções 98 e 134 de Doutrina e Convênios. Como eu gostaria que esses conceitos fundamentais estivessem gravados nos corações de todo o nosso povo!”


Devemos estar eternamente vigilantes como santos dos últimos dias e inspirar na vida de nossos filhos o amor pelos princípios eternos e o desejo de buscar homens honrados - os melhores possíveis - para estar à frente de nossos governos políticos, locais, estaduais e federal. Só assim podemos salvaguardar as liberdades que nos foram concedidas como direitos inalienáveis. A menos que o façamos, podemos facilmente perdê-los por causa de nossa indiferença, por causa de nosso fracasso em exercer nosso direito de voto, porque permitimos que homens indignos subam a posições de poder político.”


(Ezra Taft Benson, The Twelfth Article of Faith. From God, Family, Country: Our Three Great Loyalties, 279. 1974.)


Dito isso, vivemos em um mundo perverso cheio de tiranos, políticos corruptos e leis opressivas. Em tudo o que fazemos, devemos considerar os riscos e usar o Espírito Santo como nosso guia.


Embora existam algumas ameaças à liberdade que devemos suportar pacientemente, temos a responsabilidade de fazer algo. Ezra Taft Benson falou sobre nossa responsabilidade imediata, em relação à liberdade, afirmando:



“Temos sido avisados ​​repetidamente. O porta-voz do Senhor sempre levantou sua voz de advertência sobre a perda de nossa liberdade. Agora, quem tem ouvidos, ouça, e vós, que louvais ao Senhor, aprendei a seguir também o seu porta-voz.

Nenhuma responsabilidade maior e imediata repousa sobre os membros da igreja, sobre todos os cidadãos desta república e das repúblicas vizinhas do que proteger a liberdade concedida pela Constituição dos Estados Unidos.

Nesta luta poderosa, cada um de vocês tem uma parte. Esteja do lado certo. Levante-se e seja contado.


(Ezra Taft Benson. Our Immediate Responsibility. BYU University. October 25, 1966.)


Fontes - ETBS - latterdayconservative.com - D&C -

2 visualizações0 comentário