Não podemos alcançar a unidade permanecendo em silêncio

Texto de H. Verlan Andersen - traduzido e adaptado por Luiz Carlos Jr.
Jesus na praça do templo expulsando os vendilhões

SE VOCÊ NÃO É UM, NÃO É MEU

Provavelmente não há assunto sobre o qual haja mais disputa, desacordo e contenção do que a política. Por causa disso, alguns podem se abster de atividades políticas. Outros podem desistir por medo de ofender. Reconhecendo que este é um assunto altamente controverso e que eles podem perder amigos, patrocínio de negócios ou posição social ao se envolverem, eles permanecem indiferentes.


É claro que devemos evitar contendas na Igreja e fora dela. Muitas escrituras afirmam isso e declaram que a pena, portanto, é a exclusão do Reino de Deus. Onde o Senhor habitar, haverá harmonia, como indica esta declaração sobre a cidade de Enoque:


E o Senhor chamou seu povo de Sião, porque eles eram unos de coração e vontade. . . (Moisés 7:18)

Mas nos tornamos um ao guardar nossas diferenças para nós mesmos? Podemos alcançar a unidade permanecendo em silêncio? Obviamente, não podemos. Tornar-se um só coração e uma só mente exige uma livre troca de ideias e pontos de vista em uma atmosfera de amor e harmonia. Além disso, devemos reconhecer a impossibilidade de encontrar as respostas corretas para os problemas de governo em qualquer lugar, exceto nas escrituras. Até que rejeitemos os preceitos enganosos dos homens e reconheçamos o Senhor como nosso Rei e Legislador, não encontraremos a verdade nem chegaremos a uma unidade. Podemos nos tornar unidos apenas com base na verdade, e o conhecimento disso vem somente de Deus. Nosso legislador nos deu uma escritura simples sobre isso. É um padrão universal aplicável à ação individual, bem como às leis políticas. Nosso Salvador o chamou. . . “A lei e os profetas”.


Tendo concordado com essas duas verdades fundamentais, o próximo passo não deve estar fora de nosso alcance. Não deve ser difícil chegar a uma unidade de crença ao determinar quais leis estão em conformidade com a Regra de Ouro. Esse é o único padrão universal para distinguir o bem do mal que todos os homens de todas as nacionalidades e em todas as épocas conhecem e podem aplicar. O Salvador em Sua infinita sabedoria forneceu-nos uma regra de conduta curta, simples e de fácil aplicação com respeito às leis e ao governo que nos capacitará a obedecer a Seu mandamento de ser um. O Presidente McKay disse:

Além de ser um em adorar a Deus, não há nada neste mundo em que esta Igreja deva estar mais unida do que em defender e defender a Constituição dos Estados Unidos. (CR, outubro de 1939, p. 105)

Outra observação a respeito da unidade política é esta de Brigham Young:

Que os santos dos últimos dias concordem com seus interesses temporais e financeiros. Eu farei a pergunta: você acha que o Pai e o Filho estão de acordo em suas visões políticas e suas operações financeiras? Por que todo cristão no mundo diz sim e nós dizemos sim; e não podemos ser um, no sentido em que Jesus orou para que sejamos, sem isso. (JD 11: 278)

Esperamos fervorosamente que o que está contido aqui ajude os membros da Igreja, bem como outras pessoas, a chegar a uma unidade de entendimento com relação às leis e à Constituição que o Senhor fez com que fossem estabelecidas. Deixarmos de fazer isso logo pode nos levar à destruição tanto material quanto espiritualmente.


Um dos piores males de que os homens são capazes é desobedecer aos mandamentos do Senhor ao agir por meio do governo. As punições decretadas para aqueles que o fazem estão entre as mais severas conhecidas. As razões são fáceis de ver.


Quando um governo é prostituído de seus propósitos ordenados por Deus, de modo que, em vez de proibir o mal, punir os ímpios e proteger a obra do Senhor, faça exatamente o oposto; quando, por meio de seu mau exemplo, ele corrompe o coração de todas as pessoas, ensinando que o bem é mau e o mal é bom, ele se torna o agente de Satanás e faz com que as abominações reinem. O Senhor não tolerará tal governo. Ele o destruirá junto com aqueles que o edificaram, porque, como Ele decretou, abominações não reinarão. Esta terra escolhida tem uma bênção especial para os justos e uma maldição para os iníquos que somente os leitores do Livro de Mórmon conhecem. (Éter 2)


Quando o Senhor estabelece o governo de uma nação e concede a seus cidadãos votantes a oportunidade política de alterar as leis que Ele ordenou que obedecessem, Ele lhes dá o poder de preservar a liberdade por um lado, ou de cometer a terrível maldade descrita acima do outro. Ele torna possível que eles escolham entre Seu plano de liberdade e o plano de escravidão de Satanás. Em essência, aqueles que vivem sob tal governo são mais uma vez confrontados com o mesmo problema que nos confrontou na vida pré-mortal. No entanto, visto que nesta vida estamos andando pela fé e sem um entendimento completo do problema, as penalidades por escolher o errado não serão tão severas quanto antes. No entanto, eles são tão dolorosos que ninguém vai querer sofrê-los.


O Senhor trouxe dois grupos de pessoas para as Américas, estabeleceu Sua Igreja entre eles e deu-lhes um governo sujeito à voz do povo. O primeiro grupo a receber essas bênçãos foram os nefitas. Eles vieram para cá por volta de seiscentos anos aC e viveram sob uma monarquia por cerca de quinhentos anos antes de o Senhor lhes dar o privilégio de autogoverno. Eles governaram a si mesmos por cerca de cento e vinte e cinco anos antes de corromper completamente suas leis e prostituir o poder político que possuíam, que o Senhor achou necessário destruir aqueles que apoiavam tal maldade.


O segundo grupo, que são chamados de gentios pelos profetas do Livro de Mórmon, começou a chegar às Américas por volta de 1500 dC Eles viveram sob monarquias estrangeiras por cerca de trezentos anos antes de o Senhor decidir estabelecer um sistema constitucional de autogoverno entre eles. Embora esse sistema já tenha durado cerca de setenta anos a mais do que o governo nefita chamou o reinado dos juízes, há muitas evidências de que os gentios estão usando seu poder de governo próprio para corromper as leis de Deus, como fizeram os nefitas. Neste livro, vamos nos comprometer a apontar de que maneira estamos repetindo seus erros e o que devemos fazer para evitar seu trágico destino.


Os nefitas corromperam suas leis duas vezes. O registro indica que a primeira vez que a corrupção ocorreu, foi devido ao fato de que muitos dos justos foram seduzidos e enganados a fazê-lo. Conclui-se aqui que o abandono das leis do Senhor nos Estados Unidos está acontecendo pelo mesmo motivo.


É inteiramente possível que o engano mais difundido e perigoso desta época seja a crença de que as leis de Deus não se aplicam à nossa conduta política. O único lugar em que a grande maioria de nós usa a força para afetar a liberdade dos outros é por meio da agência do governo e, portanto, nossas decisões políticas são, na realidade, decisões sobre a liberdade humana.


Suspeita-se que, em geral, as pessoas não percebem que essas são as questões que estão decidindo quando exercem seus poderes de autogoverno dados por Deus. Depois da própria vida, a liberdade é o maior presente que Deus pode dar. Mas com total liberdade política, vem a oportunidade de escolher o plano de escravidão de Satanás.


Aqui, discutiremos essas três verdades básicas a respeito de nossas responsabilidades políticas.


  1. Com relação aos membros da Igreja que vivem de acordo com a Constituição dos Estados Unidos, o Senhor ordenou que obedecêssemos a Sua vontade com relação às leis do país.

  2. Este mesmo grupo foi instruído a distinguir entre as leis do Senhor que são constitucionais e aquelas que não o são, pois, como Ele disse, e no que diz respeito à lei do homem tudo o que é mais ou menos do que isso vem do mal.

  3. As penalidades que sofreremos por deixarmos de obedecer aos mandamentos políticos do Senhor são as mais severas e incluem a perda do poder do sacerdócio.


Ao discutir essas verdades, compararemos as características do governo nefita chamado de reinado dos juízes com as da Constituição dos Estados Unidos. Devemos desenvolver um padrão pelo qual os cidadãos votantes possam distinguir entre as leis que são constitucionais e as que não o são. Devemos comparar os pecados políticos dos nefitas com os das pessoas que vivem sob a Constituição dos Estados Unidos e apontar que nossos profetas vivos estão nos chamando para dar atenção às advertências do Livro de Mórmon a fim de evitar o flagelo e o julgamento que de outra forma virá sobre nós.


Existe apenas uma Igreja na terra hoje que foi estabelecida pelo Senhor e tem Sua aprovação. Existe apenas um governo e um conjunto de leis que foram divinamente estabelecidas nestes últimos dias e tiveram a aprovação do Senhor. Essas eram as leis da Constituição dos Estados Unidos da América.


Os gentios pertencentes à Igreja do Senhor e vivendo sob o governo que Ele estabeleceu são tão obrigados a obedecer a Seus mandamentos quanto a uma organização quanto a outra. Nossa falha em obedecer à vontade de Deus com relação às leis do país trará nossa destruição, como aconteceu no caso dos nefitas. Somente alcançando uma unidade de fé a respeito de nossas responsabilidades políticas e depois cumprindo-as, podemos esperar evitar o destino das nações jareditas e nefitas que nos precederam nesta terra escolhida.


Aqueles que desejam viver em uma Sociedade de Sião devem ter um coração e uma mente,


E o Senhor chamou seu povo Sião, porque eram unos de coração e vontade e viviam em retidão; e não havia pobres entre eles. E aconteceu que no trigésimo sexto ano, o povo foi todo convertido ao Senhor, em toda a face da terra, tanto nefitas quanto lamanitas, e não houve contendas e disputas entre eles e todos os homens agiram com justiça um com o outro. E aconteceu que não havia contendas na terra por causa do amor de Deus que habitava no coração do povo.
E não houve invejas, nem contendas, nem tumultos, nem prostituições, nem mentiras, nem assassinatos, nem qualquer tipo de lascívia; e certamente não poderia haver um povo mais feliz entre todas as pessoas que foram criadas pelas mãos de Deus.
Não havia ladrões, nem assassinos, nem havia lamanitas, nem qualquer tipo de -itas; mas eles eram um, os filhos de Cristo e herdeiros do reino de Deus. E quão abençoados eles foram! Pois o Senhor os abençoou em todas as suas ações. . . (Moisés 7:18, 4 Néfi 1:2, 15-18)


3 visualizações0 comentário