Meu povo é destruído por falta de conhecimento

Na conferência de abril de 1960, o então apóstolo Ezra Taft Benson fez um discurso devido as ameaças comunistas em que o mundo estava vivendo. De lá pra cá podemos ver que o modus operandi vem sendo religiosamente sendo seguido.

Fazer uma leitura e estudo desse discurso atualizando alguns dados vamos ver que o mesmo, mais que profético, e atual. Vejam então o que o apóstolo disse e fique atualizado com o momento que vivemos.

Ezra Taft Benson - Palestra da Conferência Geral - abril de 1960. Meu povo foi destruído por falta de conhecimento.


Meus irmãos e irmãs, se o Senhor me abençoar, desejo dizer algumas palavras sobre a mais séria ameaça mundial. No Antigo Testamento, lemos: “Meu povo foi destruído por falta de conhecimento”. (Oséias 4: 6.)


Assim falou Oséias, o profeta. Seguindo o espírito do magistral discurso de abertura do Presidente McKay, considero estas palavras de advertência como meu texto: “Meu povo foi destruído por falta de conhecimento”.


Como nos dias do Velho Testamento, precisamos de conhecimento hoje. Precisamos conhecer nossos inimigos. Devemos avaliar com clareza e precisão os perigos que o mundo livre enfrenta quando entramos na Era dos Mísseis. Ao mesmo tempo, devemos nos assegurar do conhecimento que traz confiança e verdade em nossa capacidade e na de nossos amigos ao redor do mundo para enfrentar o futuro - não com medo, mas com vigilância. Do conhecimento vem a força, e da força vem o poder de preservar a liberdade em casa e no exterior.


O presidente Eisenhower e outros homens dedicados trabalharam incansavelmente para ajudar o mundo livre a entender melhor o conflito mundial mortal entre o bem e o mal que está constantemente acontecendo.

Estamos agora entrando em um período de conferências, primeiro na Cúpula em maio e novamente em junho, quando o presidente viaja a Moscou para uma visita de dez dias à Rússia.

Como disse o presidente em sua Mensagem sobre o Estado da União em janeiro passado:


“Continuaremos em nossa busca pela paz e em nossos esforços para chegar a acordos mutuamente aplicáveis”.


Temos uma enorme responsabilidade aqui nos Estados Unidos de ajudar a manter a paz e a liberdade e repelir as nuvens sombrias de ameaças de guerra causadas por tensões internacionais.


O poder do comunismo depende em grande medida da ignorância do público. O conhecimento é uma coisa perigosa - para os estados totalitários; mas o conhecimento é força para um povo livre.

Existem alguns fatos fundamentais que nunca devem ser esquecidos, para que não se diga desta nossa terra: “Meu povo foi destruído por falta de conhecimento”. (Oséias 4: 6.)



Nunca devemos esquecer exatamente o que o comunismo realmente é. O comunismo é muito mais do que um sistema econômico. É uma filosofia de vida total - ateísta e completamente oposta a tudo o que nos é caro.

Acreditamos em um Criador onisciente. O comunismo ensina que tudo o que existe surgiu como resultado do movimento incessante das forças da natureza.


Acreditamos na dignidade do homem. O comunismo afirma que os seres humanos são apenas bestas graduadas. Portanto, o comunismo não hesita em destruir aqueles que se interpõem em seu caminho. Os comunistas russos em sua ascensão ao poder liquidaram milhões de seus compatriotas. Os comunistas chineses exterminaram dezenas de milhões - talvez até 30 milhões.


Acreditamos em um código moral. O comunismo nega o certo ou o errado inato. Como W. Cleon Skousen disse em seu livro oportuno, The Naked Communist: The Communist (O Comunista Exposto) “convenceu-se de que nada é mau que responda ao chamado da conveniência”. Esta é a doutrina mais condenável. Pessoas que realmente aceitam tal filosofia não têm consciência nem honra. Força, trapaça, mentiras, promessas quebradas são totalmente justificadas.


Acreditamos na religião como um modo de vida resultante de nossa fé em Deus. O comunismo afirma que todas as religiões devem ser derrubadas porque inibe o espírito da revolução mundial.

Earl Browder, um líder de longa data do Partido Comunista nos EUA disse: “. . . nós, comunistas, não distinguimos entre boas e más religiões, porque pensamos que são todas más.”


Essa filosofia ateísta, degradante, mas militante, tem o respaldo da força e dos recursos de um grande país de 210 milhões de habitantes e uma economia em rápido crescimento. Além do mais, o comunismo construiu um império de mais 700 milhões de pessoas. E também possui agentes em todos os países do mundo livre cujo objetivo final é derrubar a ordem social existente e colocar esses países sob a bandeira vermelha.


O principal objetivo comunista, não se engane, é destruir qualquer sociedade que aderir aos fundamentos da liberdade espiritual, econômica e política - a integridade do homem.

Como principal expoente da sociedade livre, os Estados Unidos são, portanto, o alvo principal da filosofia marxista-leninista.


Internacionalmente, o comunismo procura nos isolar do resto do mundo livre. Aqui em casa, o comunismo persegue incessantemente a desintegração do modo de vida americano. Ele se esforça para usar a educação, a ciência, a literatura, a arte, até mesmo as igrejas, para minar nossa sociedade livre.

Suponha por um momento que este país caiu sob o controle comunista. Quais seriam os frutos desta calamidade? Primeiro, a verdadeira sede do governo seria imediatamente removida de Washington para Moscou. William Z. Foster, o ex-chefe do Partido Comunista nos Estados Unidos, disse o seguinte: “Quando um comunista chefiar o governo dos Estados Unidos - e esse dia chegará tão certo quanto o sol nascer - o governo não será um governo capitalista, mas um governo soviético, e por trás desse governo estará o Exército Vermelho para impor a ditadura do proletariado.”


O que isso significaria para você e para mim em nossas vidas diárias?

  • Poderíamos ter nossas próprias casas?

Nossos alojamentos seriam atribuídos a nós, e pagaríamos aluguel ao estado conforme ordenado.

  • Poderíamos possuir nossas próprias fazendas?

Nossas fazendas seriam coletivizadas e se tornariam propriedade do estado e nós as trabalharíamos sob as ordens do estado.

  • Podemos começar um negócio e contratar pessoas para trabalhar para nós?

Fazer isso nos tornaria criminosos.

  • Podemos trabalhar onde quisermos?

Trabalharíamos quando, onde e como nos fosse dito - e o governo faria isso. Nenhum sindicato como os conhecemos agora teria permissão para existir. Nem as Câmaras de Comércio, Organizações Agrícolas, Rotary Clubs, Legião Americana e outras organizações.

  • O que aconteceria com nossas contas bancárias?

Tudo acima de uma pequena soma seria confiscado. O resto seria controlado pelo Estado para nós. O estado assumiria nosso seguro.

Exceto por alguns itens pessoais, não teríamos propriedade para deixar para nossas famílias quando morrermos.

  • Só podíamos viajar pelo país com permissão da polícia.

  • Não poderíamos viajar para o exterior ou casar com um estrangeiro sem a aprovação específica do estado.

  • Não podíamos nem mesmo escrever livremente para amigos em outros países.

  • Nossos filhos iriam para as escolas selecionadas para eles, e apenas enquanto o estado permitisse.

Lenin disse: “Dê-nos um filho por oito anos, e ele será um bolchevique para sempre”.

  • Os professores seriam livres para ensinar apenas o que o estado autorizasse.

William Z. Foster disse: “Nossos professores devem escrever novos livros escolares e reescrever a história do ponto de vista marxista”.

  • Pertencer a uma igreja certamente traria discriminação e penalidades de muitos tipos contra nós e nossa família.

A grande maioria dos prédios de igrejas se tornaria museus estaduais ou armazéns.


Nenhum acordo real é possível com um mal como este.

Existe algum perigo real de que tal calamidade nos sobrevenha aqui? Minha resposta a isso é meramente recitar o seguinte fato chocante:



Em quarenta anos, o comunismo, por malandragem e força, trouxe mais pessoas sob seu domínio do que o número total de cristãos que agora vivem em todo o mundo - e o cristianismo existe há quase 2.000 anos.

Não ousamos subestimar o zelo dos comunistas, nem seus objetivos, nem seu poder. Fazer isso pode significar nossa destruição.

Não ousamos aceitar promessas comunistas pelo valor de face.


A situação alemã é um exemplo dramático.

A União Soviética na década de 1940 selou sua zona de ocupação alemã - quebrando sua promessa.

A União Soviética formou uma poderosa força policial semimilitar da Alemanha Oriental - quebrando outra promessa. A União Soviética prometeu liberdade política à Alemanha, bem como liberdade de expressão e imprensa. Aqui novamente ela quebrou sua promessa.

A União Soviética concordou com o domínio das quatro potências em Berlim, depois estabeleceu uma Berlim Oriental separada - quebrando sua promessa.

Visitei a União Soviética no outono passado, passando grande parte do meu tempo com as pessoas boas, honestas e trabalhadoras do solo. Tenho certeza de que o povo russo deseja paz. Estou confiante de que podemos esperar uma era de paz se os governos do mundo responderem à vontade do povo. Mas eu não vi nenhuma evidência de que os líderes comunistas alteraram seu objetivo de conquista mundial - por meios econômicos, se não por meios militares.

Mesmo esta curta visita à União Soviética revelou claramente o quão desigual e desequilibrado seu progresso econômico realmente é. Seu sucesso no campo dos foguetes está em nítido contraste com seu atraso nos padrões gerais de vida. Uma piada soviética de safra recente é mais ou menos assim: “No ano passado, ganhamos um sputnik e, neste ano, um lunik, e um dia desses podemos até conseguir sapatos”.


Em eficiência e produtividade agrícolas, a União Soviética ainda está muito atrás dos Estados Unidos. Mas eles têm um potencial de crescimento substancial.

Por meio de um grande esforço, incluindo melhores incentivos econômicos, a agricultura soviética aumentou a produção pela metade ou mais nos últimos seis anos.

Cerca de cinquenta milhões de pessoas trabalham na agricultura e silvicultura russa - mais de quarenta por cento de sua força de trabalho total - em comparação com pouco mais de sete milhões de pessoas nos Estados Unidos, ou menos de 10 por cento de nossa força de trabalho.

Eles têm relativamente poucas máquinas agrícolas em comparação com os Estados Unidos e usam muito trabalho manual, a maior parte feito por mulheres. Cerca de sessenta a setenta e cinco por cento de sua força de trabalho agrícola consiste de mulheres.

Mas um trabalhador rural nos Estados Unidos produz alimentos e fibras suficientes para sustentar cerca de 25 pessoas - um trabalhador rural na Rússia produz o suficiente para apenas cinco ou seis pessoas.

O trabalhador russo típico tem um par de sapatos e um conjunto de roupas. Isso porque custa um mês de salário para comprar um par de sapatos e dois meses ou mais para comprar um terno.


Eles estão colocando uma fachada ousada no que diz respeito à sua capacidade de recuperar o atraso. Vi centenas de cartazes na URSS exortando os agricultores a ultrapassar os Estados Unidos na produção per capita. Também vi vários cartazes prevendo a vitória final do sistema comunista.

Mas nós, neste país, também estamos avançando.


Tenho certeza de que os soviéticos não igualarão nem ultrapassarão nossa produtividade em nosso tempo de vida, ou nunca, sob seu sistema de agricultura. Por quê? Porque eles nunca podem duplicar os níveis de eficiência e engenhosidade produtiva que são exigidos em uma sociedade livre.

Mas não vamos subestimá-los. Pelo contrário, vamos nos esforçar mais para tornar nosso próprio sistema livre de agricultura e indústria ainda mais eficiente. E vamos manter constantemente nossa guarda.



O que você e eu podemos fazer para ajudar a enfrentar este grave desafio de um sistema ateísta, ímpio e cruelmente materialista - preservar nosso estilo de vida gratuito dado por Deus?


Primeiro, vamos todos valorizar os tesouros que temos neste país. Esta é uma terra escolhida- toda a América - escolhida acima de todas as outras. Abençoado pelo Todo-Poderoso, nossos antepassados ​​o fizeram e o mantiveram assim. Ela continuará a ser uma terra de livre e de liberdade enquanto sejamos capazes e desejemos avançar à luz de princípios de direito sólidos e duradouros.


Em segundo lugar, vamos todos fazer a nossa parte para nos mantermos livres! Vamos ficar vigilantes eternamente contra o acúmulo de muito poder no governo. Aqui em nossa terra livre, preservemos um verdadeiro clima em que o homem possa crescer.


Terceiro, vamos todos reafirmar nosso patriotismo, nosso amor ao país. Patriotismo é mais do que acenar com bandeiras e palavras corajosas. É como respondemos às questões públicas. Vamos nos dedicar novamente como patriotas no sentido mais verdadeiro.


Quarto, vamos todos ajudar a construir a paz: a verdadeira paz brota de dentro. Seu preço é a retidão e, para alcançá-la, devemos nos conduzir individual e coletivamente de modo a ganhar a lealdade e devoção de outros homens.


Finalmente, vamos todos rededicar nossas vidas e nossa nação para fazer a vontade de Deus. Como cada um de vocês, amo esta nação. É minha firme convicção que o Deus do céu guiou os Pais Fundadores em estabelecê-lo para seus propósitos particulares. Mas o propósito de Deus é construir pessoas livres de caráter, não monumentos físicos para seus acúmulos materiais.


Nações que verdadeiramente amam a liberdade, amam a Deus. A história está repleta de exemplos de nações outrora poderosas que se esqueceram de Deus. Nenhuma nação amadurecida em iniquidade pode perdurar por muito tempo. “A justiça exalta uma nação, mas o pecado é um opróbrio para qualquer povo.” (Provérbios 14:34)

Nós, nesta terra, temos uma rica herança de liberdade. Ele nos recompensou além de nossos sonhos mais brilhantes. A chave para um maior progresso - a chave para a segurança nacional - é a preservação da iniciativa, vitalidade, energia e desenvoltura de nosso povo. Nosso progresso material é apenas um subproduto de nossa liberdade. Nossa liberdade concedida por Deus, um princípio básico da verdade religiosa, ainda é a força mais poderosa na face da Terra.


O povo do mundo anseia pela paz - e eu incluo especificamente o povo da Rússia.

É por isso que podemos abordar essas conversas com os russos com força interior, mas sem ilusões. Sabemos que o conhecimento do inimigo nos ensina cautela e cuidados; sabemos também que falamos em nome de milhões de pessoas reprimidas do lado soviético da Cortina de Ferro, e todos aqueles em todos os lugares que desejam a paz com dignidade humana.


Posso concluir dizendo que qualquer sistema que priva os homens de seu arbítrio, que enfraquece o lar e a família, que depende da carnificina para ter poder, que nega toda responsabilidade moral, que afirma que o homem vive só de pão e que nega a existência de Deus, é do diabo.


Esta é a filosofia comunista. Não há nenhuma evidência real de que tenha mudado nos últimos quarenta anos.


O conhecimento do inimigo e o conhecimento de nós mesmos nos dão a força para lutar o bom combate pela liberdade e pela paz mundial.


Que nunca aconteça que “Meu povo seja destruído por falta de conhecimento” (Oséias 4: 6). Eu oro humildemente, em nome de Jesus Cristo. Um homem.

4 visualizações0 comentário