Buscar
  • Luiz Carlos Silva Junior

Mórmons são monarquistas

Ou, os membros de A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias são monarquistas.

Os santos dos últimos dias aguardam a vinda e o surgimento do reino político de Deus nesta terra em preparação para a segunda vinda de Cristo, com o Sumo Sacerdote presidente como seu Rei, e governante, em regra, essencialmente uma monarquia, governando em retidão.


De acordo com a República Constitucional estabelecida pelos Pais Fundadores, o Senhor nos pediu para sermos amigos "daquela lei que é a lei constitucional da terra", especificamente, leis que apoiam "aquele princípio de liberdade na manutenção de direitos e privilégios" (D&C 98: 5-6).


Foi com esse propósito, então, que uma república foi organizada neste continente para preparar o caminho para um reino que terá domínio sobre toda a terra até seus confins. (Orson Pratt, citado em The Progress of Man 420 de Joseph Fielding Smith)

Essa forma republicana de governo é uma das mais adequadas, considerando a natureza perversa do homem e sua tendência de exercer domínio injusto (governar iniquamente) quando recebe um pequeno poder (Ver: D&C 121). Uma república constitucional tende a ser menos corruptível, ou melhor, leva mais tempo para ser corrompida. Infelizmente, agora perdemos muito do que os Pais Fundadores estabeleceram e nos encontramos sob um estado de bem-estar social corrupto e invadido por ladrões de Gadiânton.


O próprio sistema de governo de Deus é um Reino. Na verdade, aprendemos no Livro de Mórmon que “se fosse possível terdes como reis homens justos, que estabelecessem as leis de Deus e julgariam este povo de acordo com seus mandamentos, sim, se fosse possível terdes como reis homens que procedessem [exatamente] como meu pai Benjamin procedeu para este povo - eu vos digo que, se fosse sempre o caso, seria então conveniente que sempre tivésseis reis para governar”. (Mosias 29:13)


Dizer mais o que?! É isso mesmo "seria conveniente que sempre tivésseis reis para governar".

Portanto, dentro da Igreja SUD, há tantas referências ao “Reino” de Deus, uma ordem patriarcal dentro desse Reino e as bênçãos prometidas para os fiéis se tornarem Reis e Rainhas, Sacerdotes e Sacerdotisas. Essa é a ordem das coisas de Deus.


Portanto, os mórmons são monarquistas . Até praticamos o monarquismo em nossa casa, com marido e mulher governando como Rei e Rainha da família (esperançosamente em retidão e de acordo com Doutrina e Convênios 121).


Alguns podem achar esta ideia preocupante, de que os mórmons são monarquistas, especialmente considerando o fato de que a Revolução Americana foi lutada pela independência de uma monarquia tirânica. Mas não foi por causa da monarquia, foi uma luta contra a tirania. Não é a forma ou sistema de governo que é mais importante, mas os princípios adotados por tal governo.


O sistema/forma de governo é uma ferramenta. As ferramentas podem ser usadas para o bem ou para o mal, o mais importante é que as utilizemos para o bem. Enquanto os representantes, governantes ou magistrados estiverem governando em retidão, a forma de governo não é tão importante (embora, não nos esqueçamos de que as escrituras nos dizem que se sempre pudéssemos ter governantes justos, deveríamos ter um Rei - Mosias 29 : 13).


Até mesmo a 12ª Regra de Fé declara: “Cremos na submissão a reis, presidentes, governantes, e magistrados; na obediência, honra, e manutenção da lei.” (12º Artigo de Fé) (mais referências à monarquia). Isso alude ao nosso enfoque na importância de princípios corretos e governantes justos serem muito mais importantes do que o sistema de governo.


“A autoridade civil é de origem divina. Pode ser mais ou menos adaptado às necessidades do homem; mais ou menos justo e benevolente, mas, mesmo no pior dos casos, é melhor do que a anarquia. Os movimentos revolucionários que visam a abolição do próprio governo são contrários à lei de Deus ”. (Marion G. Romney, "The Rule of Law", Ensign, fevereiro de 1973, 2)

Um governo justo, independentemente da forma (Monarquia, Democracia, República, etc.) (nota: “governo justo”), “estabelecerá as leis de Deus e julgará [o] povo de acordo com os mandamentos [de Deus]”. (Mosias 29:13)


No Brasil, a queda da monarquia no Brasil foi motivada por diversos interesses e grupos sociais que se envolveram no processo; são eles:

  • os militares: defensores de ideias positivistas e desejosos de participarem mais ativamente da política, os militares viram no golpe a oportunidade ganhar espaço na política brasileira;

  • a Igreja: a questão religiosa indispôs Igreja e fiéis contra o Império, e alguns apoiaram a mudança de regime pensando na liberdade da Igreja Católica.

  • os grandes fazendeiros: proprietários de grandes parcelas de terra e que dependiam da mão de obra escrava para seus ganhos, os fazendeiros conspiraram contra o Império depois da abolição.

Porém foi uma época de grandes avanços e progresso colocando o Brasil entre as nações mais proeminentes.


Caso queira uma explicação ainda mais completa e detalhada sobre o Primeiro e o Segundo Reinado, feita pelos maiores especialistas no assunto, não perca os capítulos IV e V da nossa série “Brasil — A Última Cruzada”. da Brasil Paralelo - Assista agora gratuitamente.
7 visualizações0 comentário