Buscar
  • Luiz Carlos Silva Junior

Em quem Deus votaria?

Texto original do Mormon Chronicle e traduzido e adaptado por Luiz Carlos Jr.


No dia 8 de agosto de 1839, o Profeta Joseph Smith profetizou:

“Devemos ter a construção de Sião como nosso maior objetivo


Mas, a profecia não terminou aí. A revelação em sua plenitude advertiu,

“ As guerras virão e teremos que fugir para Sião , o grito é para apressar … Está chegando o tempo em que nenhum homem terá paz a não ser em Sião e suas Estacas.” (1)


Como Néfi no passado, uma PODEROSA visão do futuro encheu a mente do Profeta Joseph Smith. Ele clamou aos santos que eles e o mundo

“terá pouca paz a partir de agora”. “Vi homens caçando a vida de seus próprios filhos, e irmão matando irmão, mulheres matando suas próprias filhas e filhas em busca da vida de suas mães. Vi exércitos alinhados contra exércitos vi sangue, desolação, fogos etc. – O Filho do Homem disse que a mãe será contra a filha, e a filha contra a mãe – essas coisas estão às nossas portas. Eles seguirão os santos de Deus de cidade em cidade - Satanás se enfurecerá. O Espírito do Diabo está agora enfurecido, não sei em quanto tempo essas coisas acontecerão, e em vista delas devo clamar paz? NÃO! Vou levantar a minha voz e testificar deles”. (2)

Seria tolice supor que o Profeta Joseph Smith estava limitado por seu conceito de expansão do futuro que estava diante de seus olhos. Para ele, uma era futura de justiça foi estendida, uma 'restituição de todas as coisas mencionadas por todos os santos profetas desde que o mundo era' - 'a dispensação da plenitude dos tempos, quando Deus reunirá todas as coisas em uma, e uma promessa de um governo perfeito nos últimos dias, para purificar os corações das pessoas e apressar o dia de boas-vindas da Segunda Vinda de Jesus Cristo.

O Profeta Joseph Smith comparou este reino nos últimos dias a

“um tesouro escondido em um campo” e proclamou aos santos: “Nada, exceto (o) Reino sendo restaurado, pode salvar o mundo”. (3)


Joseph Smith teve o privilégio de lançar as bases da Dispensação da Plenitude dos Tempos e estabelecer o Reino de Deus na Terra. Foi-lhe dado por revelação os princípios políticos básicos e a filosofia do Governo Milenar.

“Pretendo lançar uma base que irá revolucionar o mundo inteiro. Não será pela espada ou pelo revólver que este reino avançará; o poder da verdade é tal que todas as nações estarão sob a necessidade de obedecer ao evangelho.” (4) A Fundação do Reino de Deus repousa no sacerdócio

Joseph Smith explicou que o Reino de Deus havia estado na Terra

“Sempre que houve um homem justo na terra a quem Deus revelou Sua palavra e deu poder e autoridade para administrar em Seu nome, e onde houver um sacerdote de Deus, um ministro que tenha poder e autoridade de Deus para administrar nas ordenanças do evangelho e oficiar no sacerdócio de Deus”. “Como base do reino de Deus, considerava-se que o sacerdócio tinha dois funcionários para administrar sua lei e realizar seu programa na Terra. A primeira dessas organizações é a Igreja. Como instrumento do sacerdócio, depende do sacerdócio para seu poder de oficiar na esfera religiosa da vida. A segunda ferramenta organizacional do sacerdócio é o Governo de Deus, que funciona na esfera política da sociedade”. (5)


Como instrumento do sacerdócio, a Igreja deveria desempenhar um papel importante na produção do Governo de Deus.

Brigham Young declarou:

“A Igreja de Jesus Cristo produzirá este governo e fará com que cresça e se espalhe, e será um escudo ao redor da Igreja. E sob a influência e poder do Reino de Deus, a Igreja de Deus descansará segura e habitará em segurança, sem se dar ao trabalho de governar e controlar toda a terra. O Reino de Deus fará isso, controlará os reinos do mundo”. (6)


Se a Igreja Cumprisse Sua Responsabilidade de Estabelecer o Governo de Deus, Todas as Coisas Estariam Sob a Jurisdição do Sacerdócio.

John Taylor viu as coisas sob essa luz e declarou:

Quando a vontade de Deus for feita na terra como no céu, o sacerdócio será o único poder governante legítimo sob todos os céus; pois todos os outros poderes e influências estarão sujeitos a ela. Quando o milênio. . . são apresentados todos os potentados, poderes e autoridades - todo homem, mulher e criança estarão sujeitos ao Reino de Deus; estarão sob o poder e domínio do sacerdócio de Deus; então se fará a vontade de Deus na terra como se faz no céu ”. (7)

O governo perfeito que Joseph Smith buscava ansiosamente deu a promessa de uma lei política que emanaria do Sacerdócio e governaria o mundo em retidão.

George Q Cannon ensinou:

“… o reino de Deus deve se tornar um poder político, conhecido e reconhecido pelos poderes da terra; e vocês, meus irmãos, podem ter que ser enviados para representar esse poder como seus agentes credenciados”. (8)


Será que nós, membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, esquecemos dessas promessas? Nossas responsabilidades? A Igreja se desviou de seu maior objetivo e destino? Vendemos nosso direito de primogenitura a um governo sacerdotal justo por uma confusão de tiranos e ditadores? Rejeitamos nosso Deus?

A Constituição Leva ao Reino de Deus


Os santos dos últimos dias sempre tiveram uma perspectiva única sobre a origem e o destino da América. Esta é uma terra de promessa - uma herança - preparada por Deus para os santos e a Constituição é nossa “Bandeira Celestial”.

Na oração dedicatória do Templo de Kirtland, proferida em 27 de março de 1836, o Senhor instruiu o Profeta Joseph a dizer:

Que aqueles princípios tão honrosamente e nobremente defendidos, a saber, a Constituição de nossa terra, por nossos pais, sejam estabelecidos para sempre.” (9)


A partir daqui, o Senhor está determinado a restaurar o Evangelho. A partir daqui, o evangelho deve ser levado para o exterior, e daqui Jesus Cristo reinará durante esse grande Dia do Milênio.

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é o instrumento de defesa inspirado por Deus para defender e preservar a Constituição dos Estados Unidos. Os Élderes (anciãos) de Israel têm a obrigação da aliança de desperdiçar e desgastar suas vidas na manutenção dos direitos do povo e da liberdade desta nação.

Joseph Smith escreveu um lema para a Igreja. Proclamou:

“A Constituição de nosso país formada pelos Pais da liberdade. Paz e boa ordem na sociedade. Amor a Deus e boa vontade ao homem. Todas as leis boas e salutares, virtude e verdade acima de todas as coisas, e aristarquia*, vivem para sempre! Mas ai dos tiranos, turbas, aristocracia, anarquia e toryismo**, e todos aqueles que inventam ou procuram processos judiciais injustos e vexatórios, sob o pretexto e cor da lei, ou cargo, seja religioso ou político. Exalte o padrão da Democracia! Abaixo a arte sacerdotal, e que todo o povo diga amém! para que o sangue de nossos pais não clame da terra contra nós. Sagrada é a memória daquele sangue que comprou para nós nossa liberdade.” (10)


Em nossa era moderna, o Presidente Ezra Taft Benson implorou exaustivamente à Igreja que se envolvesse na batalha pela liberdade como se nossa salvação eterna dependesse disso. Porque sim! Na Conferência Geral, ele comentou:

“Nesse volume sagrado de escrituras, o Livro de Mórmon, observamos a grande e prolongada luta pela liberdade. Também notamos a complacência do povo e sua disposição frequente de abrir mão de sua liberdade pelas promessas de um pretenso provedor. “O registro revela que um homem 'de astúcia... e... muitas palavras lisonjeiras'... procurado... 'para destruir o fundamento da liberdade que Deus lhes havia concedido, ...' “…Este grande general, Morôni… fez com que o título de liberdade fosse erguido em cada torre que havia em toda a terra… e assim Morôni plantou o estandarte da liberdade entre os nefitas'. “Esta é a nossa necessidade hoje – plantar o padrão de liberdade entre nosso povo em todas as Américas." “Embora esse incidente tenha ocorrido cerca de setenta anos aC, a luta continuou por mil anos cobertos por este registro sagrado do Livro de Mórmon. Na verdade, a luta pela liberdade é contínua – está conosco em um sentido muito real hoje, aqui nesta terra escolhida das Américas”. (11)

Preservando nossas lealdades


No entanto, em nossos dias atuais, existem várias suposições políticas dentro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

  1. Os membros podem votar com base em preferências pessoais.

  2. Cada membro pode decidir quais questões são mais importantes para ele em um determinado momento.

  3. Os membros podem apoiar candidatos ou partidos políticos ou plataformas mesmo que o referido membro se oponha ou não apoie todas as posições dos candidatos.

  4. Não seremos julgados por como votamos ou pelo que apoiamos.


Fazer avançar essas crenças é uma ilusão perigosa. Ao ouvir tais argumentos, os santos dos últimos dias devem ter bem em mente que estão ouvindo a sabedoria de homens criticando a sabedoria de Deus.


Jesus Cristo ensinou uma doutrina política totalmente diferente da que está escrita acima, e não se pode simplesmente afastar ou rejeitar Suas instruções para filosofias políticas populares. Não importa quem os esteja ensinando.


Como santos de Deus, devemos sempre ser governados por Seus princípios, e não pelos princípios do mundo. Em uma conferência especial em 2 de janeiro de 1831, Jesus Cristo, por meio do Profeta Joseph Smith, disse aos santos: “ Digo-vos: sede um; e se não sois um, não sois meus ”.


E o mais importante, nunca devemos apoiar com nosso dinheiro ou nossas doações homens, organizações ou grupos perversos que se opõem ao Reino de Deus na terra.

O Senhor resume assim:

E dou a um mandamento que abandoneis todo o mal e vos apegueis a todo o bem, para que vivais de toda palavra que sai da boca de Deus.(12)

É um grande privilégio construir o Reino de Deus nesta última dispensação. Devemos estar unidos em nosso desejo de fugir da Babilônia e construir Sião. Oramos para que o Senhor estenda Sua mão em nossa direção e nos ajude a fazer a nossa parte.



Notas de rodapé

  1. As Palavras de Joseph Smith, p 11

  2. Ibid.

  3. As Palavras de Joseph Smith p. 13

  4. História da Igreja, VI, 365

  5. Joseph Smith e o Governo Mundial, Andrus Hyrum L, p. 6-7

  6. Ibid.

  7. Ibid.

  8. George Q Cannon, Estrela do Milênio, 24:103

  9. Doutrina e Convênios seção 109 versículo 54

  10. Joseph Smith, Jun., Thomas B. Marsh, David W. Patten, Brigham Young, Samuel H. Smith, George M. Hinkle, John Corrill, George W. Robinson, março de 1838

  11. Relatório da Conferência, outubro de 1962, pp. 14-15

  12. Doutrina e Convênios seção 98 versículo 11

*Aristarquia significa, governo dos melhores, dos sábios, daqueles, dentre a população, que apresentam superioridade não só intelectual, mas também moral.

**Toryismo, baseada em uma versão britânica do tradicionalismo e conservadorismo, que defende a supremacia da ordem social conforme evoluiu na cultura inglesa ao longo da história.


3 visualizações0 comentário