10 Princípios em grande parte esquecidos, mas atemporais, na sustentação de líderes. Parte 2

Texto original de James F. Stoddard III e L. Hannah Stoddard do site josephsmithfoundation.org - Traduzido e adaptado por Luiz Carlos Jr.

6. TODOS os líderes e membros da igreja são imperfeitos e NINGUÉM fala por Deus a menos que seja movido pelo Espírito Santo


É fácil apontar o dedo ou reclamar das ações desse membro ou daquele líder, mas não se pode se esconder atrás dos outros. Cada um de nós individualmente carrega o fardo de discernir a verdade do erro.


Presidente J. Reuben Clark Jr. enfatizou a responsabilidade que isso coloca sobre os ombros de cada membro, ao ensinar como julgar corretamente:


Quando os escritos e sermões dos líderes da igreja têm o direito de serem escrituras?

Presumo que a escritura por trás dessa pergunta seja a declaração do Senhor em uma revelação dada por Joseph. . .

E tudo o que eles falarem quando movidos pelo Espírito Santo será escritura, será a vontade do Senhor, será a mente do Senhor, será a palavra do Senhor, será a voz do Senhor, e o poder de Deus para a salvação.

As próprias palavras da revelação reconhecem que os irmãos podem falar quando não são “movidos pelo Espírito Santo”, mas somente quando falam assim, “movidos pelo Espírito”, é o que dizem Escritura. Nenhuma exceção é dada a esta regra ou princípio. É universal em sua aplicação.

A questão é: como saberemos quando as coisas que eles falaram foram ditas "movidas pelo Espírito Santo?"

Eu pensei um pouco sobre esta pergunta, e a resposta até onde posso determinar é: Podemos dizer quando os oradores são “movidos pelo Espírito Santo” somente quando nós, nós mesmos, somos “movidos pelo Santo Espírito."

De certa forma, isso transfere completamente a responsabilidade deles para nós, de determinar quando eles falam.

J. Reuben Clark, Quando os escritos e sermões dos líderes da Igreja têm o direito de reivindicar serem escrituras? ” Deseret News , 31 de julho de 1954, sec. Church News, 11.

Em uma revelação dada ao Profeta Joseph Smith em 11 de setembro de 1831, o Senhor atribuiu a cada membro da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias o dever de julgar e eliminar a iniquidade da Igreja:


Eis que eu, o Senhor, fiz minha igreja nestes últimos dias como um juiz sentado em uma colina, ou em um lugar alto, para julgar as nações.

Pois acontecerá que os habitantes de Sião julgarão todas as coisas concernentes a Sião.

E mentirosos e hipócritas serão provados por eles...

Doutrina e Convênios 64: 37-39

Cada um de nós deve avaliar, e de vez em quando reavaliar, o que estamos fazendo pessoalmente para ajudar a construir o Reino de Deus, da maneira que o Senhor deseja.


Joseph Fielding Smith, que mais tarde se tornaria o décimo presidente da Igreja e seria considerado o maior estudioso do evangelho do século 20, assumiu a responsabilidade de ajudar a Igreja a permanecer pura com muita seriedade. Depois de participar de uma reunião geral de liderança da igreja, ele secretamente confidenciou suas preocupações muito reais e sérias ao seu diário:


Assisti às sessões de reuniões para os professores do instituto, realizadas na sala de reuniões no quarto andar do Edifício de Escritórios da Igreja. Não posso dizer que fui grandemente edificado. Muita filosofia de natureza mundana não parece se encaixar bem com os fundamentos do evangelho. Em minha opinião, muitos de nossos professores empregados no sistema escolar da igreja absorveram muito do paganismo do mundo e aceitaram prontamente os pontos de vista de educadores não inspirados, sem consideração pela palavra revelada do Senhor. O que fazer sobre isso, eu não sei. É um problema para a Presidência considerar. É um fato muito aparente que viajamos por muito tempo nos últimos 20 anos [desde a morte de seu pai]. O que o futuro trará eu não sei. Mas se nos afastarmos tanto das coisas fundamentais nos próximos 20 anos, o que restará do alicerce lançado pelo Profeta Joseph Smith? É fácil para quem observa ver como aconteceu a apostasia na Igreja Primitiva de Jesus Cristo. Não estamos viajando pela mesma estrada? Quanto mais vejo homens educados - quero dizer, aqueles que são treinados nas doutrinas e filosofias agora ensinadas no mundo, menos respeito eu tenho por eles. As teorias modernas que são tão populares hoje simplesmente não se harmonizam com o evangelho conforme revelado aos profetas, e seria divertido se não fosse uma tragédia ver como alguns de nossos irmãos educados tentam harmonizar as teorias dos homens com a palavra revelada do Senhor. Graças ao Senhor, ainda resta um pouco de fé e alguns membros que ainda valorizam a palavra do Senhor e aceitam os profetas. Certamente o mundo está amadurecendo rapidamente para a destruição, e Satanás tem poder e domínio sobre os seus.

Joseph Fielding Smith, Jr. e John J. Stewart, A Vida de Joseph Fielding Smith [Salt Lake City: Deseret Book Co., 1972], 210-211.

7. Esta dispensação é para receber a palavra de Deus SOMENTE por meio de Joseph Smith


No dia em que a Igreja foi organizada, o Senhor deu uma revelação para ser o estatuto da Igreja, ordenando aos membros e líderes - tanto presentes como futuros - que “prestassem atenção a todas as suas palavras e mandamentos [de Joseph Smith] que ele fará dar a você ”, prometendo que se o conselho fosse seguido, “as portas do inferno não prevalecerão contra você; sim, e o Senhor Deus dissipará os poderes das trevas de diante de vocês e fará com que os céus estremecem para o seu bem e para a glória de seu nome ”.


A instituição restaurada por Joseph Smith, usando as chaves e a autoridade que Deus lhe deu, era verdadeira e viva. Embora nenhum líder ou membro da Igreja seja perfeito ou infalível, na medida em que os ensinamentos e revelações de Joseph Smith são seguidos, temos a promessa divina de que continuaremos a ter sucesso em nossos esforços.


O Élder Bruce R. McConkie explicou que, embora tenhamos sucessivos presidentes da Igreja e outros apóstolos, as palavras do Profeta Joseph Smith são proeminentes e que devemos considerar todos os outros líderes um mero eco de Joseph Smith.

Cada cabeça de dispensação é um revelador de Cristo para os seus dias. . . e todos os outros profetas ou apóstolos que vierem são um reflexo, um eco e um expoente do chefe da dispensação. Todos esses vêm para ecoar ao mundo e para expor e desdobrar o que Deus revelou por meio do homem que foi designado para dar sua palavra eterna ao mundo para aquela época. Esse é o conceito de dispensação.

Bruce R. McConkie, “ 'Esta Geração Terá Minha Palavra através de Você '” , Conferência Geral (junho de 1980).

O Élder McConkie também ensinou que as grandes revelações e doutrinas importantes destinadas a esta dispensação vieram por meio do Profeta Joseph Smith e que não haverá grandes revelações que se estendam além do alicerce estabelecido pelo Profeta Joseph.


Poderíamos receber mais revelações e espero que recebamos ao entrarmos em sintonia com o Espírito. Mas o grande reservatório de revelação para nossa dispensação - ou seja, as coisas que precisamos saber para governar nossa conduta a fim de ganhar a vida eterna - essas coisas já foram dadas. E não haverá grandes reservatórios adicionais de revelação substantiva que ocorrerá antes da Segunda Vinda por causa da iniquidade do mundo. Parte dessa iniquidade se espalha e prevalece entre os santos dos últimos dias.

Bruce R. McConkie, “ 'Esta Geração Terá Minha Palavra através de Você '” , Conferência Geral (junho de 1980).

Na seção 5 de Doutrina e Convênios, o Senhor explicou que Sua palavra para nossos dias só virá por meio de Joseph Smith.


“Esta geração receberá minha palavra por teu intermédio” (D&C 5:10). Joseph Smith deu a palavra e nós repetimos a mensagem. . .

Bruce R. McConkie, “ 'Esta Geração Terá Minha Palavra através de Você '” , Conferência Geral (junho de 1980).

Isso significa que nenhuma revelação veio desde 1844 ou virá no futuro? Absolutamente não. Temos exemplos de grandes revelações recebidas por Brigham Young (atualmente D&C 136) e Joseph F. Smith (atualmente D&C 138). Joseph Smith é o cabeça da dispensação, ou líder do sacerdócio, sobre a dispensação. Portanto, a comunicação espiritual com qualquer homem ou mulher é dirigida pelo Profeta Joseph.


Em uma entrevista com David Ransom em 9 de novembro de 1997, o Presidente Gordon B. Hinckley explicou:


“... temos um grande corpo de revelações, a grande maioria das quais vieram do profeta Joseph Smith. Não precisamos de muita revelação. Precisamos prestar mais atenção à revelação que já recebemos. Agora, se surgir um problema para o qual não temos uma resposta, oramos a respeito, podemos jejuar e ele virá... não precisamos de muita revelação contínua. Temos um grande reservatório básico de revelação. ”

Gordon B. Hinckley, “Entrevista de Domingo - Reflexões do Mórmon Principal,” entrevista por Don Lattin, SFGATE, 13 de abril de 1997, acessado em dezembro de 2018, https://www.sfgate.com/news/article/SUNDAY-INTERVIEW- Reflexões do principal-Mórmon-2846138.php.

Durante um devocional de Natal em 7 de dezembro de 2003, ele reiterou novamente:


“Eu confio em [Joseph Smith]. Eu amo-o. Eu procuro segui-lo. Li suas palavras e elas se tornaram os padrões a serem observados ao guiar esta grande Igreja à medida que avança no cumprimento de seu destino eterno ”.

Gordon B. Hinckley, Devocional de Natal da Primeira Presidência, 7 de dezembro de 2003, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

8. Há uma diferença entre poder e autoridade no sacerdócio


Outra chave importante é a diferença entre o poder e a autoridade do sacerdócio.


Por exemplo, observe a instrução dada no manual oficial da Igreja de que os irmãos devem realizar ordenanças e pronunciar bênçãos “pela autoridade do sacerdócio”. Observe que não há menção de "pelo poder do sacerdócio".


Um líder pode ocupar uma determinada posição - ele pode receber autoridade - mas se ele executa ou não esse dever com poder depende de uma coisa: retidão pessoal. Isso é verdade para pais, bispos, presidentes de estaca, membros dos setenta, o Quórum dos Doze e até mesmo os presidentes da Igreja. É dever de todos os portadores do sacerdócio viver de maneira digna de seu chamado, mas a triste verdade é que muitos não o fazem.


Os versículos frequentemente repetidos da seção 121 de Doutrina e Convênios nos lembram:


Eis que muitos são chamados, mas poucos são escolhidos. E por que não são escolhidos?

Porque seu coração está tão fixo nas coisas deste mundo e aspiram tanto às honras dos homens, que eles não aprendem esta lição:

Que os direitos do sacerdócio estão inseparavelmente ligados com os poderes do céu e que os poderes do céu não podem ser controlados nem exercidos a não ser de acordo com os princípios da retidão.

D&C 121: 34-36


O Filho de Deus está avisando que muitos líderes são “chamados” para posições de liderança, mas poucos vivem dignos desses chamados?


9. Os líderes da Igreja devem apenas promover seus próprios ensinamentos ou doutrina por meio da persuasão


O pior tipo de força possível pela qual um homem ou mulher pode ser considerado culpado é a tentativa de induzir ou exigir obediência cega ou controle da mente sob o pretexto da autoridade eclesiástica.


A revelação contida na seção 121 de Doutrina e Convênios explica esse conceito:

Nenhum poder ou influência pode ou deve ser mantido em virtude do sacerdócio, a não ser com persuasão, com longanimidade, com brandura e mansidão e com amor não fingido;

Com bondade e conhecimento puro, que grandemente expandirão a alma, sem hipocrisia e sem dolo

Doutrina e Convênios 121: 41-42


Talvez não haja nada mais Hitleriano ou injusto do que exigir à força que outro indivíduo desligue seu cérebro e se submeta cegamente à autoridade, esperando que o indivíduo faça o que lhe é dito, em vez de pensar por eles mesmos. Qualquer indivíduo culpado de ensinar ou requerer a obediência cega de outro indivíduo será responsável perante Deus, de acordo com Suas revelações.

A seção 134 de Doutrina e Convênios também ecoa as palavras do Senhor na seção 121, afirmando que:

“Acreditamos que nenhum governo [e especialmente nenhum governo da igreja] pode existir em paz, exceto se tais leis forem formuladas e mantidas invioláveis ​​como garantirão a cada um indivíduo o livre exercício da consciência...”


10. Nesta dispensação, não recebemos o mandamento de seguir nenhum homem, exceto o Profeta Joseph Smith.


Como mencionamos acima, no dia em que a Igreja foi organizada, o Senhor deu uma revelação que pretendia que fosse a carta constitutiva da Igreja, ordenando aos membros e líderes - presentes e futuros - para “dar ouvidos a todas as suas palavras e mandamentos [de Joseph Smith] que ele vos transmitirá..." Apesar das afirmações de muitos outros, a revelação é clara de que esse mandamento não se aplica a nenhum outro líder a não ser Joseph Smith. Além disso, não há lugar na revelação em que os membros da Igreja recebam o mandamento de seguir os ensinamentos de qualquer outro homem, incluindo qualquer outro presidente da Igreja.



O Presidente Joseph Fielding Smith, décimo presidente da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, ensinou esse princípio em muitas ocasiões, incluindo as seguintes:


Não faz diferença o que está escrito ou o que alguém disse; se o que foi dito está em conflito com o que o Senhor revelou, podemos deixar de lado. Minhas palavras e os ensinamentos de qualquer outro membro da Igreja, alto ou baixo, se não se enquadrarem nas revelações, não precisamos aceitá-las. Deixe-nos esclarecer esse assunto. Aceitamos as quatro obras-padrão como os parâmetros de medição, ou balanços, pelos quais medimos a doutrina de cada homem.

Você não pode aceitar os livros escritos pelas autoridades da Igreja como padrões de doutrina, apenas na medida em que eles estejam de acordo com a palavra revelada nas obras padrão.

Se Joseph Fielding Smith escreve algo que não está em harmonia com as revelações, então todo membro da Igreja tem o dever de rejeitá-lo. Se ele escreve algo que está em perfeita harmonia com a palavra revelada do Senhor, então deve ser aceito.

Joseph Fielding Smith, Doutrinas de Salvação , vol. 3 (Salt Lake City, Utah: Bookcraft, 1956), 203-204.
4 visualizações0 comentário