10 Princípios em grande parte esquecidos, mas atemporais, na sustentação de líderes. Parte 1

Texto original de James F. Stoddard III e L. Hannah Stoddard do site josephsmithfoundation.org - Traduzido e adaptado por Luiz Carlos Jr.

O Profeta Joseph Smith ensinou que não há erro nas revelações que ele recebeu quando foram revelados. Portanto, em nossos dias, quando parece que quase todo homem ou mulher tem uma compreensão diferente da boa liderança e como os líderes devem ser apoiados, acreditamos que é imperativo olhar para trás para as revelações para esclarecer essas questões e opiniões sensíveis, mas inevitáveis. Aqui estão algumas das perguntas que flutuam na Internet:

  • Devemos seguir o conselho dos líderes da igreja se acreditarmos que seus conselhos podem estar errados?

  • Quando os líderes da igreja falam por Deus e como você pode saber?

  • Como devo apoiar meus líderes eclesiásticos se acredito que eles estão errados?

  • É possível que os líderes da igreja cometam erros graves?

  • Devemos tratar os ensinamentos dos líderes da igreja de maneira diferente de acordo com sua posição e situação?

  • Os ensinamentos e orientações do Presidente da Igreja são infalíveis?

  • Um presidente da Igreja pode cair e se tornar iníquo? Ele deveria ser removido do cargo?

A seguir estão dez princípios atemporais (é aquilo que não está ligado às leis do tempo) que respondem a muitas das questões atuais que refletem na mente de muitos membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. Acreditamos que o Senhor respondeu a essas perguntas com clareza inconfundível nas revelações e ensinamentos do Profeta Joseph Smith.


1. Qualquer pessoa que segue cegamente seus líderes não é capaz de adquirir o Reino Celestial.


O Profeta Joseph Smith estava muito preocupado, em Nauvoo, com o fato de alguns membros da Igreja estarem seguindo cegamente os líderes da Igreja, incluindo suas próprias palavras, em vez de aprender a pensar por si mesmos.

O Presidente Joseph Smith leu o Capítulo 14 de Ezequiel — disse que o Senhor havia declarado pelo profeta que o povo deveria cada um se defender e não depender de nenhum homem ou homens naquele estado de corrupção da Igreja Judaica — que os justos só poderiam libertar suas próprias almas - aplicado ao estado atual da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias - disse que se o povo se afastasse do Senhor, eles deveriam cair - que dependiam do profeta, portanto, estavam obscurecidos em suas mentes, em consequência de negligenciar os deveres que incumbem a eles...

Joseph Smith, História, 1838–1856, volume C-1 Addenda, p. 71–72 , The Joseph Smith Papers.

O Profeta Joseph Smith também ensinou que os líderes verdadeiros e inspirados ensinam princípios corretos e permitem que o povo governe a si mesmo.

Há alguns anos, em Nauvoo, um cavalheiro que eu estava ouvindo, um membro do Legislativo, perguntou a Joseph Smith como era possível que ele governasse tantas pessoas e preservasse uma ordem tão perfeita; observando ao mesmo tempo que era impossível para eles fazerem isso em qualquer outro lugar. O Sr. Smith observou que era muito fácil fazer isso. "Quão?" respondeu o cavalheiro; “Para nós é muito difícil”. O Sr. Smith respondeu: “Eu lhes ensino princípios corretos e eles governam a si mesmos”.

John Taylor, “ A Organização da Igreja ”, The Latter-day Saints Millennial Star , vol. 13, nº. 22, 15 de novembro de 1851, 339.
“Eu lhes ensino princípios corretos e eles governam a si mesmos”.

O Presidente Brigham Young ensinou que nenhum homem é capaz de entrar no Reino Celestial se seguir seus líderes cegamente.

Quem tem influência sobre qualquer um de vocês para fazer com que percam a salvação no reino celestial de Deus? Vou responder a essas perguntas por mim mesmo. Se o irmão Brigham e eu tomarmos o caminho errado e formos excluídos do reino dos céus, ninguém será culpado, exceto o irmão Brigham e eu. Eu sou o único ser no céu, na terra ou no inferno que pode ser culpado .


Isso se aplica igualmente a todos os santos dos últimos dias. A salvação é uma operação individual. Eu sou a única pessoa que pode me salvar. Quando a salvação é enviada para mim, posso rejeitá-la ou recebê-la. Ao recebê-lo, presto obediência e submissão implícitas ao seu grande Autor durante toda a minha vida e àqueles a quem Ele designará para me instruir; ao rejeitá-lo, eu sigo os ditames de minha própria vontade em preferência à vontade de meu Criador. Existem aqueles entre este povo que são influenciados, controlados e tendenciosos em seus pensamentos, ações e sentimentos por algum outro indivíduo ou família, em quem eles colocam sua dependência para instrução espiritual e temporal, e para a salvação no final. Essas pessoas não dependem de si mesmas para a salvação, mas de outro, de seus pobres e fracos companheiros mortais. “Não dependo de nenhuma bondade inerente minha”, dizem eles, “para me apresentar ao reino da glória, mas dependo de você, irmão Joseph, de você, irmão Brigham, de você, irmão Heber, ou de você, irmão James; acredito que seu julgamento é superior ao meu e, consequentemente, deixo você julgar por mim; seu espírito é melhor do que o meu, portanto, você pode fazer o bem para mim; Vou me submeter totalmente a você e depositar em você toda a minha confiança para a vida e a salvação; aonde você for eu irei, e onde você ficar, ficarei; esperando que você me conduza pelos portões da Jerusalém celestial.


Eu gostaria de observar isso. Lemos na Bíblia que existe uma glória do sol, outra glória da lua e outra glória das estrelas. No Livro de Doutrina e Convênios, essas glórias são chamadas de telestial, terrestrial e celestial que é a mais elevada. Estes são mundos, departamentos diferentes ou mansões na casa de nosso pai. Agora, aqueles homens, ou aquelas mulheres, que não sabem mais sobre o poder de Deus e as influências do Espírito Santo, do que serem guiados inteiramente por outra pessoa, suspendendo seu próprio entendimento e prendendo sua fé na manga de outra, nunca será capaz de entrar na glória celestial, para ser coroado como eles antecipam; eles nunca serão capazes de se tornarem Deuses. Eles não podem governar a si mesmos, para não falar de governar os outros, mas devem ser comandados em cada ninharia, como uma criança. Eles não podem se controlar no mínimo, mas Tiago, Pedro ou outra pessoa deve controlá-los. Eles nunca podem se tornar Deuses, nem ser coroados como governantes com glória, imortalidade e vida eterna. Eles nunca podem ter cetros de glória, majestade e poder no reino celestial. Quem vai? Aqueles que são valentes e inspirados com a verdadeira independência do céu, que sairão corajosamente no serviço de seu Deus, deixando que outros façam o que bem entenderem, determinados a fazer o que é certo, embora toda a humanidade, além disso, deva tomar o caminho oposto. Isso se aplica a algum de vocês? Seus próprios corações podem responder.


Você sabe o que é certo e justo, tão bem quanto eu? Em algumas coisas você faz, e em outras você pode não saber também; mas explicarei o que quero dizer com as seguintes palavras: farei todo o bem que puder e tudo que sei fazer e evitarei todo mal que sei ser um mal. Todos vocês podem fazer isso. Vou aplicar meu coração à sabedoria e pedir ao Senhor que a conceda a mim; e se conheço pouco, vou aperfeiçoá-lo, para que amanhã tenha mais e, assim, cresça dia a dia no conhecimento da verdade, assim como Jesus Cristo crescia em estatura e conhecimento desde bebê até a idade adulta; e se agora não sou capaz de julgar por mim mesmo, talvez o seja em outro tempo. Estamos organizados para progredir na escala da inteligência, e o menor Santo aderindo estritamente à ordem de Deus,

Brigham Young, “ Os Privilégios e Bênçãos do Evangelho ”, Journal of Discourses , vol. 1 (Londres: Latter Day Saints Book Depot, 1854), p. 312. Discurso proferido em 20 de fevereiro de 1853.

O Presidente Joseph F. Smith fez o mesmo que o Profeta Joseph e Brigham Young sobre a obediência cega:

A respeito da questão da obediência cega. Nenhum homem nesta Igreja, desde o Profeta Joseph Smith até os dias atuais, jamais pediu a qualquer homem que fizesse cegamente o que lhe foi dito. Nenhum profeta de Deus, nenhum Apóstolo, nenhum Presidente de Estaca, nenhum Bispo, que teve o espírito de seu ofício e seu chamado repousando sobre ele, já pediu a uma alma que fizesse qualquer coisa que ela talvez não soubesse ser certa e a coisa certa a fazer. Não pedimos que você faça nada que não saiba que é seu dever fazer, ou que não saiba que será uma bênção para você fazer.

Se lhe dermos conselho, não pedimos que obedeça a esse conselho sem que saiba que é certo fazê-lo. Mas como saberemos se isso está certo? Recebendo o Espírito de Deus em nossos corações, pelo qual nossas mentes podem ser abertas e iluminadas, para que possamos conhecer a doutrina por nós mesmos e sermos capazes de separar a verdade do erro, a luz das trevas e o bem do mal.

Joseph F. Smith, “ Obediência Cega e Dízimo ”, The Latter-day Saints Millennial Star , vol. 55, nº 5, 30 de janeiro de 1893, 79-80.

2. Nenhum líder é infalível e, portanto, não deve ser seguido cegamente


Muitas vezes lemos ou ouvimos repetidas instruções de Cristo aos Doze: “E se a tua mão direita te escandalizar, corta-a e atira-a para longe de ti, porque te é melhor que um dos teus membros se perca, do que todo o teu corpo seja lançado no inferno” (Mateus 5:30). Você já se perguntou o que o Senhor estava ensinando nesses versículos? O que especificamente o Filho de Deus, enquanto morou na mortalidade, estava tentando transmitir? Participamos de muitas lições de Doutrina do Evangelho, nas quais membros bem-intencionados compartilharam especulações e possíveis interpretações.


Na verdade, o significado claro da passagem foi perdido por causa da corrupção até que o Profeta Joseph Smith foi inspirado a restaurar certa parte. Voltando à Tradução de Joseph Smith de Marcos, capítulo 9, descobrimos um comentário inspirado que difere da versão tradicional do King James.

Portanto, se tua mão te ofende, corta-a; ou se teu irmão te ofender e não confessar e não abandonar, ele será cortado. Melhor é entrar aleijado na vida do que, tendo as duas mãos, ir para o inferno.

Pois é melhor para ti entrar na vida sem teu irmão, do que tu e teu irmão serem lançados no inferno; no fogo que nunca se apaga, onde o seu verme não morre, e o fogo não se apaga.

Marcos 9: 40-41, JST


Até agora, nada muito polêmico aqui! Se um vizinho, membro ou amigo se afasta ou abandona a verdade, não devemos pôr em risco nossa própria salvação, permitindo-nos ser guiados por eles. Devemos ter cautela e prudência para garantir que não sejamos enganados. Seria melhor “eliminá-los” do que se corromper. Este não é um conceito revolucionário; temos ouvido isso muitas vezes. No entanto, há mais a considerar, como, por exemplo, qual é o contexto desses versículos? O Salvador continua alertando contra a transgressão de pessoas em posição de autoridade - líderes dos quais geralmente não suspeitamos.

E também, se teu pé te ofender, corte-o; pois aquele que é o teu estandarte, por quem tu andas, se ele se tornar um transgressor, será exterminado.

É melhor para ti entrar coxo na vida do que ter dois pés para ser lançado no inferno; no fogo que nunca será apagado.

Marcos 9: 42-43, JST


É nessa escritura que o capítulo 9 de Marcos se torna um pouco mais controverso. Somos avisados ​​de que, se aquele que é “o seu estandarte... se tornar um transgressor, ele será exterminado.” Quem pode ser esse “estandarte” religioso? As “pegadas” de quem você segue? Quem é que geralmente mostra o caminho religioso?

No contexto das escrituras, nossas “pegadas” são sinônimo de nossa obediência aos mandamentos (Mosias 4:15, D&C 25: 2, 95:12, 2 João 1: 6) e nossa participação justa nas ordenanças (D&C 136: 4). Ao falar de homens “pelos quais você anda”, o Filho de Deus emitiu uma advertência inequívoca contra modelos indicados e professores que estão sujeitos a cair. É possível que um líder religioso por quem sentimos admiração e confiança “se torne um transgressor”? Percebendo quão facilmente podemos ser enganados se não estivermos de forma protetora em guarda, o Salvador nos alerta para não seguirmos esses transgressores “para o inferno”.


Você também pode estar interessado no artigo que conta a história do Massacre de Mountain Meadows e do lutador pela liberdade Helmuth Hubener, "If Thine Eye Offend You" (Parte 1 - Obediência cega? - Questionar ou não questionar? Essa é a questão! )


“O Senhor em TJS Marcos 9 foi claro: 'Portanto, que todo homem fique de pé ou caia por si mesmo e não por outro; ou não confiar em outro.’ (TJS Marcos 9:44) Esses princípios são cruciais para nossos dias e nosso tempo. As vítimas do massacre de Mountain Meadows clamam do chão: 'Que cada homem fique de pé ou caia, por si mesmo, e não por outro!' A história de Helmuth Hubener defende 'Devemos obedecer a Deus antes que aos homens.' As implicações de realmente compreender esta doutrina fundamental podem alterar nosso destino eterno como indivíduos e como um povo.”


3. Apoiar os líderes da igreja quando eles tropeçam ou estão errados


Como nenhum líder é infalível, seguir cegamente qualquer homem ou grupo de homens (ou mulheres) não é sábio e pode até ser perigoso. Como alguém sustenta um líder que está fora do caminho ou está errado? O primeiro passo é evitar comportamentos inadequados, como calúnias, falar mal ou ser crítico. Em vez disso, devemos ser respeitosos, suplicando aos céus em fervorosa oração em nome da pessoa ou grupo.


O jovem Davi que mais tarde se tornaria Rei, e naquela época um homem segundo o coração do Senhor, é um exemplo ideal. Pegando a história em 1 Samuel, capítulo 24, o Rei Saul, um homem que inicialmente havia sido escolhido por Deus, e que naquela época ainda era “o ungido do Senhor”, tornou-se um homem perverso. Ele estava buscando ativa e provocativamente tirar a vida do jovem Davi. Saul estava perseguindo Davi, mas parou para acampar em uma caverna. A história continua:


2 Então tomou Saul três mil homens, escolhidos dentre todo o Israel, e foi à busca de Davi e dos seus homens, até sobre os cumes das penhas das cabras monteses.

3 E chegou a uns currais de ovelhas no caminho, onde estava uma caverna; e entrou nela Saul, para fazer suas necessidades; e Davi e os seus homens estavam aos lados da caverna.

4 Então os homens de Davi lhe disseram: Eis aqui o dia, do qual o Senhor te disse: Eis que te dou o teu inimigo nas tuas mãos, e far-lhe-ás como te parecer bem aos teus olhos. E levantou-se Davi, e mansamente cortou a orla do manto de Saul.

5 Sucedeu, porém, que depois doeu o coração de Davi, por ter cortado a orla do manto de Saul.

6 E disse aos seus homens: O Senhor me guarde de que eu faça tal coisa ao meu senhor, ao ungido do Senhor, estendendo eu a minha mão contra ele; pois é o ungido do Senhor.

7 E com estas palavras Davi conteve os seus homens, e não lhes permitiu que se levantassem contra Saul; e Saul se levantou da caverna, e prosseguiu o seu caminho.

8 Depois também Davi se levantou, e saiu da caverna, e gritou por detrás de Saul, dizendo: Rei, meu senhor! E olhando Saul para trás, Davi se inclinou com o rosto em terra, e se prostrou.

9 E disse Davi a Saul: Por que dás tu ouvidos às palavras dos homens que dizem: Eis que Davi procura o teu mal?

10 Eis que neste dia os teus olhos viram que o Senhor hoje te pôs em minhas mãos nesta caverna, e alguns disseram que te matasse; porém a minha mão te poupou; porque disse: Não estenderei a minha mão contra o meu senhor, pois é o ungido do Senhor.

11 Olha, pois, meu pai, vê aqui a orla do teu manto na minha mão; porque, cortando-te eu a orla do manto, não te matei. Reconhece, pois, e vê que não há na minha mão nem mal nem transgressão nenhuma, e não pequei contra ti; porém tu andas à caça da minha vida, para ma tirares.

12 Julgue o Senhor entre mim e ti, e vingue-me o Senhor de ti; porém a minha mão não será contra ti.

1 Samuel 24: 2-12

Apoiar os líderes quando eles estão agindo de forma inadequada requer oração, inspiração e grande sabedoria.

Chad Winks, artista gráfico e ilustrador digital


4. Todos os líderes da igreja são responsáveis ​​perante os membros, incluindo o Presidente


O Profeta Joseph Smith é o maior protótipo de um líder justo, exceto o Filho de Deus. Ao longo de sua vida, o Profeta abominou as artimanhas sacerdotais e a perigosa prática de adoração ao líder.

Em 6 de abril de 1843, em uma conferência especial organizada em comemoração ao aniversário da organização da Igreja, o Profeta declarou:

É meu objetivo averiguar a [posição] da primeira presidência. (conforme fui instruído) Apresento-me para julgamento, a seguir apresentarei meus conselheiros para julgamento. . . .

No que me diz respeito, você está satisfeito com a primeira presidência [ sic ] ou vai escolher outra? Se eu fiz alguma coisa [ sic ] para prejudicar meu caráter aos olhos de homens e anjos - ou homens e mulheres, venha para frente [e] conte sobre isso. E se não depois, cale-se.

Joseph Smith, Diário, dezembro de 1842 a junho de 1844; Livro 2, 10 de março de 1843–14 de julho de 1843, p. 50-51 , The Joseph Smith Papers.

O Profeta Joseph Smith não teve medo de reconhecer as deficiências e erros na liderança eclesiástica, anunciando humildemente perante a assembleia dos santos,

Joseph Smith, o profeta da Restauração e cabeça da presente dispensação — Presidente da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, é um homem que tem a distinção de ser o maior profeta que já viveu, exceto o Filho,2 tinha mais direito do que qualquer homem de desaprovar as críticas. No entanto, mesmo ele não se considerava acima da lei.


Depois de solicitar aos santos dos últimos dias que apresentassem qualquer reclamação ou preocupação, Brigham Young “levantou-se e indicou Joseph Smith para continuar como Presidente da Igreja”. O Presidente Young demonstrou uma lealdade inabalável a Joseph Smith, um tema que ele continuou a exibir por toda a vida, até seu último suspiro.

Orson Hyde apoiou a moção do Presidente Young e então ela foi colocada em votação. Pela primeira vez na história da Igreja, a votação foi unânime!

Tal mão erguida nunca foi vista antes na igreja.

Joseph voltou [e] agradeceu - à assembleia. e disse que os serviria de acordo com o melhor de sua capacidade.

Joseph Smith, Diário, dezembro de 1842 a junho de 1844; Livro 2, 10 de março de 1843–14 de julho de 1843, p. 55 , Documentos de Joseph Smith.

Sidney Rigdon (Primeiro Conselheiro) foi então apresentado “para julgamento” e apoiado.

William Law (segundo conselheiro) foi então apresentado “para julgamento” e apoiado.

O Patriarca Hyrum Smith foi então apresentado e a congregação votou a favor de Hyrum manter seu cargo.

Na conclusão dessas ações, o Profeta Joseph Smith proclamou devidamente,

“Não sei nada sobre os doze; se soubesse, os apresentaria a julgamento.”

Joseph Smith, Diário, dezembro de 1842 a junho de 1844; Livro 2, 10 de março de 1843–14 de julho de 1843, p. 55 , Documentos de Joseph Smith.

O Profeta Joseph entendeu que ele e seus companheiros líderes não estavam “acima da lei”. Para Joseph Smith, 'defender a Igreja' não significava defender seu primeiro conselheiro, seu segundo conselheiro ou mesmo a si mesmo como Presidente.

Defender a Igreja significava defender o Evangelho de Jesus Cristo e apontar os santos dos últimos dias ao Pai e ao Filho. Foi nisso que o Profeta implorou a seu povo que colocasse sua confiança.

Defender a Igreja significava defender o Evangelho de Jesus Cristo e apontar os santos dos últimos dias ao Pai e ao Filho.

Se os membros soubessem de algo que ele havia feito de errado, ele pediu-lhes que “apresentassem [e] falassem sobre isso” para que ele retificasse o problema. Joseph Smith compreendeu que responsabilizar os líderes não ameaçaria a Igreja, pois o alicerce que ele construiu foi fundado em Deus, e não no homem.


JOSEPH SMITH CONSTRUIU SUA FUNDAÇÃO EM DEUS, NÃO NO HOMEM.

O Senhor deixou inequivocamente claro nas revelações que qualquer líder, alto ou baixo, pode falhar em sua posição. O Senhor até tomou providências para tentar líderes, incluindo presidentes da Igreja.

E se um Presidente do Sumo Sacerdócio transgredir, ele será lembrado perante o conselho comum da igreja, que será auxiliado por doze conselheiros do Sumo Sacerdócio;

E a decisão deles sobre sua cabeça encerrará a controvérsia a respeito dele.

Assim, ninguém estará isento da justiça e das leis de Deus, para que todas as coisas sejam feitas em ordem e com solenidade diante dele, segundo a verdade e a justiça.

D&C 107: 82-84


Por que o Senhor chamou Judas Iscariotes como um de seus Doze Apóstolos?


Muitas vezes, muitos membros imaginam que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias opera por meio de alguma forma de “mágica” e que, de alguma forma, todo líder é perfeito, todo chamado é inspirado e todo homem cumpre seu dever.


Nesse cenário imaginário, nenhum livre arbítrio é exercido e nenhuma liberdade de escolha é permitida. Em contraste, a evidência da história testifica que muitos são chamados, mas muitos não cumprem seu chamado.

O Senhor realmente chamaria um homem que, no final, falhou em seu chamado?

Por que o Senhor chamou Judas Iscariotes como um de seus Doze Apóstolos?

O Filho de Deus foi enganado pelo verdadeiro caráter de Judas?

Ou estava, em vez disso, reforçando:

“Maldito aquele que confia no homem ou faz da carne o seu braço...”? (2 Néfi 28:31)

O Senhor sabia na época do chamado que Judas era um diabo, ou se tornaria. (João 6:70)


Alguns de nossos líderes são colocados lá para nos liderar e outros de nossos líderes são colocados lá para nos testar.

Às vezes, nós, como membros, esquecemos que a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias é tanto nossa igreja quanto a de qualquer líder.

Dito de outra forma, somos tão valiosos e responsáveis ​​pelo progresso da Igreja quanto o atual presidente em exercício. Podemos não possuir as chaves para alterar ou fazer grandes mudanças onde forem necessárias, mas podemos cumprir nosso papel sagrado na defesa do Evangelho de Jesus Cristo.


5. Os líderes da Igreja não exercem mordomia na família, apenas na Igreja como um todo

É impróprio e pode até ser prejudicial, às vezes perigoso, para os líderes da Igreja em qualquer posição, incluindo o Presidente da Igreja, ditar a uma família as decisões que dependem da mordomia e autoridade do pai e da mãe. Assim como um pai não deve ter a presunção de impor ao Presidente da Igreja os negócios gerais da igreja, da mesma forma, nenhum líder da igreja deve tentar ditar as decisões que devem ser tomadas na família. Infelizmente, isso está se tornando mais comum porque os princípios da mordomia foram esquecidos.



O Presidente Joseph F. Smith ensinou que as decisões familiares devem permanecer com a família, enquanto as decisões de toda a igreja são apropriadamente tomadas pela liderança geral da igreja. Da mesma forma, as decisões da estaca são tomadas pela liderança da estaca e as decisões da ala são tomadas pela liderança da ala.

No lar, a autoridade presidente é sempre investida no pai, e em todos os assuntos internos e familiares não há outra autoridade suprema. Para ilustrar esse princípio, um único incidente talvez seja suficiente. Às vezes acontece que os élderes são chamados para administrar aos membros de uma família. Entre esses élderes, pode haver presidentes de estaca, apóstolos ou mesmo membros da primeira presidência da Igreja. Nessas circunstâncias, não é apropriado que o pai recue e espere que os élderes dirijam a administração dessa importante ordenança. O pai está lá. É seu direito e dever presidir. Ele deve selecionar aquele que administrará o óleo e aquele que fará a oração, e ele não deve sentir que, devido à presença de autoridades presidentes na Igreja, ele está, portanto, privado de seus direitos de dirigir a administração dessa bênção do evangelho em seu lar. (Se o pai estiver ausente, a mãe deve solicitar à autoridade presidente presente que assuma o comando.) O pai preside à mesa, em oração, e dá orientações gerais relacionadas à vida familiar de quem quer que esteja presente. ”

Joseph F. Smith, Gospel Doctrine (Deseret Book Company, 1968), p. 287.

O Presidente Joseph F. Smith também insistiu que a liderança familiar (incluindo os princípios celestiais da ordem patriarcal) representam os princípios eternos e imutáveis ​​do evangelho. Esses princípios foram mantidos em todas as outras dispensações.

Não há autoridade superior em assuntos relacionados à organização familiar, e especialmente quando essa organização é presidida por um portador do sacerdócio mais elevado, do que a do pai. A autoridade é honrada pelo tempo e, entre o povo de Deus em todas as dispensações, tem sido altamente respeitada e frequentemente enfatizada pelos ensinamentos dos profetas que foram inspirados por Deus. A ordem patriarcal é de origem divina e continuará por toda a eternidade. Há, então, uma razão particular pela qual homens, mulheres e crianças devem entender esta ordem e esta autoridade nas famílias do povo de Deus, e procurar torná-la o que Deus planejou que fosse, uma qualificação e preparação para a mais alta exaltação. de seus filhos. Em casa, a autoridade presidente é sempre investida no pai,

Joseph F. Smith, Gospel Doctrine (Deseret Book Company, 1968), p. 2.

Os princípios da Ordem Patriarcal são cuidadosamente descritos no livro mais correto, o Livro de Mórmon. Esses mesmos princípios são ensinados e enfatizados em Doutrina e Convênios, na Pérola de Grande Valor e em toda a Bíblia, tanto no Velho quanto no Novo Testamento. Enquanto a cultura moderna desvaloriza a ordem familiar - em preferência às instituições sociais, incluindo governo, escolas e igrejas com especialistas infinitos e incontáveis ​​- a palavra do Senhor sobre o assunto é imutável.


Continua - Parte 2

4 visualizações0 comentário